Províncias

Obras na estrada melhoram a circulação

Francisco Curihingana| Malange

A circulação rodoviária entre a cidade de Malange e o município de Massango, numa distância de 252 quilómetros, está a conhecer melhorias substanciais, devido às obras de reabilitação em curso.

Vários troços estão a ser reabilitados para facilitar a livre circulação de pessoas e bens
Fotografia: Genivaldo Fonseca| Malange

A circulação rodoviária entre a cidade de Malange e o município de Massango, numa distância de 252 quilómetros, está a conhecer melhorias substanciais, devido às obras de reabilitação em curso.
O administrador municipal do Massango, Daniel Ferraz, disse terça-feira que as anteriores sete horas de viagem ficaram agora reduzidas a três, fruto das referidas melhorias introduzidas na estrada.
O responsável confirmou que, neste momento, o asfalto está a dez quilómetros da sede comunal do Cuale. “Até ao final do ano, os constrangimentos que vivíamos na circulação vão deixar de ser problema e melhorar as condições de vida da população”, afirmou Daniel Ferraz.
O administrador Daniel Ferrazpediu aos homens de negócios para direccionarem as suas atenções para aquela região de Malange, que é rica na produção de café, mandioca e ginguba.
“Antes, referiu o administrador, a classe empresarial apresentava a desculpa de que as estradas não ajudavam, hoje, essa situação já não conta, uma vez que as coisas estão a melhorar”, salientou.
No município de Massango, uma série de infra-estruturas aguardam pela inauguração, designadamente o palácio do administrador, o hospital municipal reabilitado e totalmente apetrechado, além de escolas, casas para funcionários e médicos, obras feitas com fundos do Programa de Investimentos Públicos (PIP).
O administrador Daniel Ferraz assegurou que acções que visam mudar a imagem das comunas de Quihuhu e Quinguengue estão igualmente em curso, com destaque para a edificação de escolas e postos de saúde, com vista a melhorar as condições da população.
O problema da água a nível do município também deixou de ser um dos principais problemas para a população da região, desde que foi desenvolvido o programa “Água para Todos”.
Desde essa altura, disse o administrador, os munícipes livraram-se da dependência que tinham da cidade de Malange para consumir água potável.

Tempo

Multimédia