Províncias

ONG norueguesa desactiva explosivos

Adelino Ngunza| Malange

A Ajuda Popular da Noruega (APN) desactivou, no primeiro semestre do ano em curso, 17 minas anti- pessoal e anti-tanque, soube o Jornal de Angola de fonte afecta à instituição.

 

A Ajuda Popular da Noruega (APN) desactivou, no primeiro semestre do ano em curso, 17 minas anti- pessoal e anti-tanque, soube o Jornal de Angola de fonte afecta à instituição.
De acordo com a mesma fonte, os engenhos foram desactivados nas localidades do Quemba e Quingula, em Malange, áreas consideradas suspeitas de reunir ainda um número elevado de minas.
Graça Monteiro, responsável da APN em Malange, disse ao Jornal de Angola que as áreas em referência são consideradas suspeitas e muitas minas ainda podem ser desactivadas naquelas localidades.
O oficial da APN referiu, por outro lado, que, da pesquisa feita, em algumas localidades e áreas tidas antes como minadas ou suspeitas, não foram encontrados engenhos explosivos, o que implica dizer que a província não está tão minada como se pensa.
Graça Monteiro acrescentou que, durante o período em referência, a APN efectuou trabalhos de sensibilização sobre risco de minas e sobre o VIH/SIDA, nas aldeias de Cabimbi, Cangandala e na localidade de Cambaxe, 30 quilómetros da sede provincial.

Tempo

Multimédia