Províncias

Parceiros privados devem apoiar o Executivo

Sérgio V.Dias|

O bispo José Quipungo, da Igreja Metodista Unida da Conferência do Leste de Angola, sedeada em Malanje, defende que "o melhoramento da condição de vida das populações angolanas não pode depender apenas do Executivo."

Bispo Quipungo defende a necessidade de "arregaçar-se as mangas"
Fotografia: Dombele Bernardo

O bispo José Quipungo, da Igreja Metodista Unida da Conferência do Leste de Angola, sedeada em Malanje, defende que "o melhoramento da condição de vida das populações angolanas não pode depender apenas do Executivo."
Fazendo um balanço dos 10 anos da consolidação da paz no país, o responsável máximo da Igreja Metodista caracteriza como positivas as actividades desenvolvidas pelo Governo de Malanje ao longo desse período. “O trabalho que o executivo provincial tem vindo a fazer junto do povo desta província é positivo. Nesse sentido, corroboro com o ­governador  Boaventura  Cardoso quando advoga que ainda há muita coisa para se fazer a partir deste ano”, frisou.
O bispo José Quipungo realça, também, que as acções desenvolvidas pelo executivo malanjino contribuem, em grande escala, para o crescimento da província. Neste particular, o responsável da Igreja Metodista Unida destaca a construção do hospital materno-infantil e de um número considerável de escolas, que espelham verdadeiras acções da expansão do ensino, como autênticas mais-valias destes tempos.
“É claro que não é tudo, mas alguma coisa importante foi e continua a ser feita”, disse José Quipungo ao Jornal de Angola.
O interlocutor do nosso jornal realça também o quão importante é o projecto  gizado pelo Executivo, na perspectiva do combate à fome e à pobreza.  Apesar de ser um projecto a longo prazo, como disse, o seu impacto já se faz sentir tanto na capital da província, como nos demais municípios, comunas e aldeias da zona rural.
 “O povo está a cultivar de tal maneira que só podemos lamentar o facto da falta de transporte para escoar esses produtos do campo para a cidade”, justificou o bispo.
José Quipungo disse, ainda, que os avanços na área da agricultura e da pecuária são muito animadores, “a julgar pela crescente produção de cana-de-açúcar  na fazenda Pungo Andongo e o repovoamento do gado bovino, caprino e de aves”.
“Penso que, no futuro, teremos muita produção, que fará esquecer a guerra do passado que assolou o nosso país e Malanje, em particular”, disse. O bispo da Igreja Metodista Unida manifestou-se, também, satisfeito em relação a outros passos que Malanje pode dar no futuro, reafirmando os projectos de expansão da rede de distribuição de energia em toda a extensão da província e do Ensino Superior.
Por esse e outros avanços que colocam a província no trilho do desenvolvimento, o bispo José Quipungo defende a necessidade de “arregaçar-se as mangas” para que Malanje "siga os passos de outras províncias e sociedades mais avançadas". 

Tempo

Multimédia