Províncias

Pedida mais participação da sociedade

Francisco Curihingana | Malanje

A problemática dos municípios da província de Malanje vai, a partir deste mês, ser debatidos em encontros que envolvem todos os membros da sociedade civil, entidades tradicionais, religiosas e juventude, anunciou ontem, na localidade de Kiuaba Nzonge, o governador provincial.

Autoridades de Malanje pretendem proporcionar outra imagem à província e apelam à conjugação de esforços
Fotografia: Eduardo Cunha | Malanje

Norberto dos Santos "Kwata Kanawa" sublinhou que pretende  dar a conhecer à sociedade civil as actividades e as dificuldades na implementação de certos projectos e disse que a aplicação racional dos recursos postos à disposição dos  administradores municipais também vão merecer a particular atenção do Governo Provincial.
Depois de  trabalhar no município de Kiuaba Nzoge, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”  dirigiu-se ao município de Cacuso, onde foi informado das acções em curso, tendentes a mudar a imagem da região.
O administrador de Cacuso, Tomás da Conceição, disse que está prevista  uma intervenção de vulto no domínio da água, tendo em conta o crescimento populacional.
 “O sistema  de abastecimento existente já não satisfaz, daí a necessidade de se fazerem obras de ampliação para que todos possam beneficiar do precioso líquido”.
Tomás da Conceição informou que em breve é aprovado o Plano Urbanístico do município para definir o perfil de Cacuso. O plano urbanístico, acrescentou o administrador, vai estabelecer balizas  para melhor planificar, para depois actuar, no quadro da aplicação e da formação das políticas publicas. “Pretendemos com isso melhorar a qualidade de vida das populações”, disse.

Sector da Saúde

A directora do Hospital Municipal de Cacuso , Cecília Sebastião, disse que o bloco operatório do hospital não funciona por falta de um anestesista. Sublinhou ter encaminhado a preocupação a Direcção local do Ministério da Saúde, que trabalha no sentido de encontrar um técnico especializado.O município conta com 12 unidades sanitárias, incluindo o hospital municipal e um centro médico. Os serviços sanitários são assegurados por 109 funcionários, sendo 48 técnicos de enfermagem e oito médicos.
As doenças mais frequentes no município são a malária, doenças diarreicas agudas, doenças respiratórias, parasitose intestinal e a shystosomiase. No hospital municipal de Cacuso são consultados diariamente, em média, 150 pacientes. Em relação ao sector da Educação, no  presente ano lectivo, estão matriculados no município 22.948 alunos, dos quais 15.381 no ensino primário, 2.723 no primeiro e segundo ciclos ,  262 no ensino técnico profissional e 4.582 no Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar.
Cacuso conta com 615 professores, número considerado insuficiente, disse o director municipal em exercício da Educação, Almeida Sequessa.

Tempo

Multimédia