Províncias

Ponte sobre o rio Kwanza abre portas para progresso

Sérgio V. Dias|

Em dez anos de paz, um dos grandes ganhos a assinalar em Cangandala, município situado a cerca de 28 quilómetros a sul da sede de Malanje, tem precisamente a ver com a reabilitação da ponte sobre o rio Kwanza e a estrada que liga esses dois pontos da província. Na região pontifica também o “santuário” da Palanca Negra Gigante.

Imponente infra-estrutura do município de Cangandala impulsiona o desenvolvimento da província da Palanca Negra Gigante e permite também a ligação entre esta e outras da região sul do país
Fotografia: Eduardo Cunha


 
Em dez anos de paz, um dos grandes ganhos a assinalar em Cangandala, município situado a cerca de 28 quilómetros a sul da sede de Malanje, tem precisamente a ver com a reabilitação da ponte sobre o rio Kwanza e a estrada que liga esses dois pontos da província. Na região pontifica também o “santuário” da Palanca Negra Gigante.
Esta imponente infra-estrutura abre as portas para o progresso do município e da província, pois para além de aumentar a circulação rodoviária, facilita o comércio e consequentemente a aquisição de bens de primeira necessidade pela população local.
Nesse sentido, o administrador municipal, Joaquim Virgílio Gomes, fala do progresso noutros domínios da vida social da urbe, em particular no ensino, que nestes últimos anos viu aumentar para 146 o número de salas de aulas.
A requalificação e as novas centralidades, outros assuntos em voga no âmbito da reconstrução, merecem também abordagem do número “um” da Administração de Cangandala. “O município vai beneficiar de 200 fogos habitacionais, que ocuparão 50 dos 100 hectares que constituem a reserva fundiária do Sango.
“A empresa que ganhou este concurso trabalha actualmente no levantamento topográfico, a que se seguirão outros trabalhos, de acordo com o cronograma de execução da construtora”, disse Joaquim Virgílio Gomes.
O interlocutor do Jornal de Angola reitera, também, que o arranque da implementação deste programa “marcará o início de uma nova urbanização do município de Cangandala”.

Combate à pobreza

Na esteira dos vários programas gizados pelo Executivo central, com vista a melhoria do modo de vida das populações em todo o país, em Cangandala a perspectiva desse aspecto assenta também em bases sólidas.
O administrador municipal, Joaquim Virgílio Gomes, sublinha que terminado o exercício económico 2011, o Programa Municipal Integrado de Combate à Pobreza e do Desenvolvimento Rural (PMICPDR) foi dos que mereceu maior atenção.
Em relação ao grau de implantação dos serviços municipalizados de saúde, disse que teve como foco principal “manter a boa funcionalidade dos postos sanitários espalhados por Cangandala e do centro municipal deste sector”.
O responsável municipal disse ainda que se trabalha no sentido de se assegurar a prevenção de várias enfermidades através de campanhas de vacinação e acções de mobilização. A implementação do programa foi avaliado na ordem  dos 93,60 por cento”, disse. Transcorrendo ainda no leito das questões inerentes ao sector do ensino, caracterizou como satisfatórios os resultados obtidos em 2011, na medida em que o aproveitamento escolar situou-se num plano positivo.
Nesta vertente, 6.681 alunos dos 10.081 matriculados aprovaram de classe. No I e II Ciclo do ensino secundário, 6.992 alunos dos 10.489 matriculados também obtiveram a pontuação final de aprovados.
Para esse efeito, 410 docentes asseguram o ensino em toda a extensão do município, sendo 96 técnicos médios e 314 básicos. Em consequência de alguns problemas que o sector ainda enfrenta 3.340 ficaram fora do sistema de ensino.

 

Crédito agrícola

Sobre a agricultura, o administrador Joaquim Gomes realça que “veio incentivar e motivar pessoas singulares e colectivas”. Por via disso, comenta ainda, ganhou terreno a prática da actividade agrícola diversificada.
Em relação a culturas, a mandioca, ginguba, feijão e batata-doce são os produtos que aparecem na linha da frente.  O relançamento da cultura de arroz, tal como acontece nos outros municípios que compõem a região Songo, “regista algumas acções de prospecção neste sentido”.
Já no que se refere a energia, o município é abastecido por um gerador de 250 KVA. “Estamos esperançados de que tão logo seja melhorada a situação de energia na província, Cangandala terá, também, o privilégio de beneficiar dessa prerrogativa”, disse o número um do município em que sobressai ainda a exuberante zona turística dos Rápidos do Kwanza.

Tempo

Multimédia