Províncias

Projecto de desenvolvimento da agricultura arranca em Malange com apoio de israelitas

Filipe Eduardo | Malange

Um projecto de desenvolvimento da agricultura mecanizada em alta escala arrancou na comuna de Mufuma, município do Kiwaba Nzoji, com o lançamento da primeira pedra pelo governador provincial de Malange, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”.

Um projecto de desenvolvimento da agricultura mecanizada em alta escala arrancou na comuna de Mufuma, município do Kiwaba Nzoji, com o lançamento da primeira pedra pelo governador provincial de Malange, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”.
O projecto já funciona nos municípios do Luena, Negage, Dondo e Nzeto. Em Malange contempla 50 famílias e está a ser desenvolvido por uma empresa israelita, numa área de 2.800 hectares, dos quais 1.800 para pastagens, 200 para produção da mandioca e 100 para estufas. Prevê, igualmente, a construção de aviários para a criação 12 mil galinhas e uma área de 1.800 hectares de pastos para duas mil cabras.
O governador recordou que o projecto atravessou dificuldades mas, fruto da persistência dos empresários israelitas, foi possível encontrar uma solução para o arranque.
“Este projecto é bem-vindo à província de Malange, pois vai permitir à população ter um contacto com equipamento de ponta em todas as etapas do processo produtivo”, disse Kwata Kanawa. Vai ser dada prioridade à produção da fuba de bombô. A introdução da piscicultura, acrescentou, é igualmente importante por melhorar a dieta alimentar das populações, enquanto a produção de hortícolas, através de estufas, vai permitir o seu consumo durante todo o ano.
O governador pediu às autoridades tradicionais para apoiarem este projecto, para que, como disse, em dois anos seja possível colher os resultados esperados.
Outras infra-estruturas de apoio, como armazéns para classificação de ovos, sementes e fertilizantes, moagem para a farinha de bombô, viveiros de plantas e oficinas fazem parte do projecto, que contempla também soldagem, sala de conferência, dois alojamentos e lojas. Numa primeira fase vão ser criados 220 empregos directos 1.100 indirectos.

Tempo

Multimédia