Províncias

Saúde tem novos serviços

Luísa Victoriano | Malange

O sector da Saúde em Malange tem registado “melhorias significativas”, com a reabilitação e construção de unidades sanitárias, disse, ontem, ao Jornal de Angola, a directora provincial.

Ângulo do hospital provincial completamente remodelado e apetrechado
Fotografia: Jornal de Angola

O sector da Saúde em Malange tem registado “melhorias significativas”, com a reabilitação e construção de unidades sanitárias, disse, ontem, ao Jornal de Angola, a directora provincial.
Laurinda Kipungo lembrou que a região tem quatro novas unidades de referência, o hospital geral de Malange, uma Caculama, outra em Cangandala e o Centro da Carreira de Tiro, com equipamentos modernos. O hospital provincial, com 320 camas de internamento, tem serviços de cirurgia, medicina, obstetrícia, ortopedia, oftalmologia, cardiologia, estomatologia, entre outros.  
A província, que dispõe de 121 unidades sanitárias nos 14 municípios, tem outras, referiu, em fase de acabamento. 
“Temos 105 médicos, nacionais e estrangeiros, que garantem os serviços nos hospitais, mas o número ainda não satisfaz as necessidade do sector, atendendo à extensão da província”, frisou
 Novas instalações
 A província, anunciou, vai contar, em breve, com novas instalações de pediatria e maternidade.
As obras do hospital materno-infantil, já concluídas, orçaram em 22 milhões de dólares.
Laurinda Kipungo disse que o novo hospital pediátrico, com quatro pisos - com laboratório, salas de enfermagem, controlo, raio X, transfusão de sangue, registo, Programa Alargado de Vacinação (PAV), gabinetes dos médicos e consultórios - tem a capacidade para internar cem crianças.
A maternidade provincial, com cinco pisos, vai ter também laboratório, enfermarias e salas de tratamento, blocos operatórios, de ginecologia e obstetrícia.
O estabelecimento, naturalmente conta com salas de parto, pré-parto, pós parto e berçário, com capacidade de 82 camas.
O director provincial da maternidade, Eliseu Chimbangela, garantiu que a construção da nova maternidade vai permitir o descongestionamento da anterior.
O responsável salientou que a construção do novo hospital materno-infantil chegou no momento oportuno, pois na maternidade provincial uma cama tem de ser partilhada por mais do que uma parturiente. A nova morgue, construída no mesmo espaço da anterior, com uma área para velórios e uma sala para autópsias, tem 22 gavetas para conservação de corpos.

Tempo

Multimédia