Províncias

Soberanos do Ndongo são homenageados

Adelino Ngunza | Malange

Uma caravana automóvel ida da cidade de Malange está desde sexta-feira a visitar o município de Cahombo, 120 quilómetros da sede provincial, no sentido de, entre outras actividades, prestar homenagem aos túmulos dos reis Ngola Kiluanji e Njinga Mbandi.

Os dois soberanos do Reino do Ndongo, que lideraram do século XVI a XVII a oposição contra a ocupação colonial, foram sepultados na localidade do Muculu a Ngola.
O coordenador da comissão criada para a actividade, João Albino, avançou que os excursionistas vão manter ainda contacto com a administração local para se inteirar da situação do município, principalmente com questões ligadas ao estado das vias e de outras infra-estruturas socioeconómicas.
Consta igualmente do programa da excursão, que está a ser promovida pela Associação dos Naturais e Amigos de Cahombo, a realização de actividades desportivas, religiosas e de solidariedade para com pessoas carenciadas, em resposta a um apelo lançado recentemente pelo soberano Cabombo.
O rei Cabombo tinha apelado às autoridades governamentais para que se prestasse mais atenção à localidade, tendo proposto a construção de um memorial em reconhecimento à bravura, coragem e espírito nacionalista dos referidos soberanos em prol da liberdade do povo.
O Ndongo foi reinado por Ngola Kiluanji, no século XVI, Ngola Mbande, Matamba e Njinga Mbandi entre os séculos XVI e XVII. Esta última, depois de resistir à ocupação converteu-se ao cristianismo, por meio da Igreja Católica, tendo sido baptizada com o nome de Ana de Sousa.
Reza a história que, em 1961, produtores de algodão a nível da Baixa de Cassanje, cansados da exploração colonial, decidiram opor-se contra os patrões que pagavam um preço reduzido na compra do produto, acção que foi respondida por um bombardeamento aéreo e tiros de infantaria, originando mais de cem mil mortos.
Os municípios de Cahombo (ex-Monteverde), Cunda dia Base (ex-Montalegre), Massango (ex-Forte República), Quela, Marimba e as localidades de Kadisso Kaginga, Holo Kia Coxy, Micanda, Langueca Dia Nginga, Santacomba, Mbingue a Mbolo, Cambo Sunginge, Cambo Kamana, Canzage e Mulundo foram as zonas bombardeadas.
A par dos acima citados, os portugueses provocaram ainda chacina em Santa Comba, Teca-Dia-Kinda, Kauca, Yongo, Cassanje Calucala (município de Xá Muteba e actualmente pertencentes à Lunda-Norte), Micanda e Nzungue, onde, em 1961, degolaram a cabeça do soba e pregaram-na num pau junto à estrada, a pretexto de ser o instigador dos revoltosos.
Neste momento, Ba Nvula Amana, o actual rei Cabombo, é o 115º substituto do rei Ngola Kiluange kia Samba, nome que dá origem à República de Angola.

Tempo

Multimédia