Províncias

Televisão expande sinal

VENÂNCIO VICTOR | Malange

A Televisão Pública de Angola (TPA) vai aumentar, nos próximos dias, o raio de acção do sinal nos municípios da província de Malange, anunciou ontem o presidente do Conselho de Administração da estação televisiva.

Técnicos da Televisão visitam Malange
Fotografia: Dombele Bernardo

A Televisão Pública de Angola (TPA) vai aumentar, nos próximos dias, o raio de acção do sinal nos municípios da província de Malange, anunciou ontem o presidente do Conselho de Administração da estação televisiva.
Hélder Bárber fez este pronunciamento no termo de uma audiência concedida pelo governador provincial de Malange, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, esclarecendo que um grupo de técnicos da TPA desloca-se, em breve, à província para proceder ao levantamento do estado actual da expansão do sinal.Neste momento, referiu, está em estudo um processo que carece de soluções tecnológicas, no qual o Conselho de Administração da TPA vem trabalhando para dar respostas às preocupações manifestadas pelo Governo Provincial de Malange.
O PCA da televisão pública disse ser compreensível e legítimo que a informação esteja mais próxima das populações dos municípios e comunas da província, por formas a estarem informadas das acções e dos programas que estão a ser levadas a cabo pelo Executivo naquela parcela do território nacional.A expansão do raio de acção do sinal da TPA vai permitir que as populações mantenham contacto com as realizações do governo e dos investimentos privados fora das suas zonas de origem.
O governador de Malange, Kwata Kanawa, defendeu a necessidade da criação de programas locais, a partir do Centro de Produção da TPA na província.
O director provincial da TPA em Malange, Francisco Júnior, esclareceu que o trabalho de alargamento do sinal vai consistir ainda na substituição dos sistemas semiprofissionais nas 14 sedes dos municípios, cujo sinal é de pouca expansão (cerca de seis quilómetros) por outros capazes de emitir o sinal num raio de mais de 60 quilómetros.
Francisco Júnior disse que os sistemas semiprofissionais, que vão ser retirados dos municípios, serão aproveitados, sendo instalados em algumas comunas.

Tempo

Multimédia