Províncias

Universitários de Malanje acusados de fraude

Venâncio Víctor | Malanje Justino Vitorino | Calima

A Escola Superior Politécnica de Malanje (ESPM) denunciou um grupo de estudantes universitários acusados de possuírem certificados falsos do ensino médio, constantes dos seus processos individuais, revelou ontem ao Jornal de Angola o director-geral da instituição, Francisco Quimbanda.

Estudantes que enveredaram por esta prática vão ser responsabilizados judicialmente
Fotografia: Lídio Serdeira

O director-geral da ESPM disse que a descoberta de certificados falsos tende a aumentar, sendo que alguns são de estudantes do terceiro ano que já preparavam as monografias para a defesa de tese de fim de curso.
Francisco Quimbanda referiu que a descoberta destes documentos resulta de uma investigação levada a cabo pela instituição nas escolas de ensino médio frequentadas pelos estudantes em causa, para comprovar a autenticidade.
A denúncia ocorre quando faltam cerca de três meses para a entrega de diplomas e certificados de aproveitamento aos primeiros licenciados da ESPM, após a sua criação em 2011.
Francisco Quimbanda disse que o caso foi encaminhado ao Ministério do Ensino Superior, que exarou um despacho a determinar a apresentação de queixa judicial contra os prevaricadores.
“Nós vamos encaminhar o problema aos órgãos da Justiça, para disciplinar e desencorajar os estudantes que queiram enveredar por essa prática”, disse o director-geral.  Com esta decisão, frisou, a ESPM está a contribuir para a melhoria da qualidade do ensino superior e formar quadros à altura das necessidades e exigências do país.
O director-geral da Escola Superior revelou a descoberta de fraudes no processo de inscrição dos candidatos ao novo ano lectivo, aberto a 11 deste mês.
Francisco Quimbanda admitiu que ­esta prática é frequente no registo de matrícula. A Escola Superior Politécnica de Malanje, localizada no bairro da Catepa, licenciou no ano passado 136 especialistas em Pedagogia, Matemática, Psicologia e Sociologia.
A instituição funciona em instalações provisórias, com 16 salas de aula, cedidas pelo Governo Provincial de Malanje.
O funcionamento da instituição é afectado por frequentes interrupções no fornecimento de energia eléctrica, o que cria um ambiente de insegurança no período nocturno, propício a assaltos e furtos. Por isso, Francisco Quimbanda solicitou a instalação de uma esquadra móvel da Polícia Nacional.
O director-geral defendeu ainda a reparação urgente do troço rodoviário que liga a estrada nacional àquela instituição de ensino superior, numa extensão de cerca de dois quilómetros, que fica intransitável quando chove.

Calima com mais salas de aula

A comuna da Calima, na província do Huambo, tem disponíveis 31 salas de aula para integrar,  no presente ano lectivo, 20.219 alunos, em diversos subsistemas de ensino, disse ontem o chefe de Repartição da Educação.
Ezequiel Timóteo considerou positivo o balanço do ano lectivo 2015, apesar da situação económica que o país enfrenta. Para o presente ano lectivo, acrescentou, o sector da Educação conta com 342 professores, número considerado insuficiente.
O responsável do sector da Educação na comuna da Calima deu a conhecer que, para o presente ano lectivo, a coordenação escolar vai distribuir gratuitamente, no começo das aulas, material didáctico aos alunos, principalmente aos do ensino primário, tendo em conta a necessidade de melhorar a qualidade do processo de ensino e aprendizagem.
Ezequiel Timóteo explicou que nos próximos tempos a administração comunal prevê construir  mais estabelecimentos de ensino na circunscrição.
A administradora comunal de Calima, Guilhermina Maria Bacia, referiu que na sede comunal e arredores estão em construção casas sociais, para enfermeiros, professores e funcionários da administração local.
No quadro do Programa de Investimentos Públicos estão igualmente em curso, na comuna, a reabilitação de várias infra-estruturas sociais e o melhoramento do fornecimento de água potável e energia eléctrica, disse Guilhermina Bacia, que acrescentou que a educação foi um dos sectores que mais se destacou na comuna, em 2015, fruto dos investimentos feitos pelo Governo da Província do Huambo na melhoria da oferta de serviços essenciais básicos à população.
Guilhermina Maria Bacia afirmou que todos os alunos da primeira à quarta classe receberam gratuitamente manuais escolares, o que permitiu melhorar a qualidade do processo de ensino   na Calima.
A Administração Comunal, garantiu Guilhermina Maria Bacia, vai continuar a envidar esforços no sentido de apoiar as comunidades na construção de escolas comunitárias nas aldeias, à medida que for crescendo a população estudantil.

Tempo

Multimédia