Províncias

Vários petizes ficaram fora do ensino geral

Francisco Curihingana | Malange

Pelo menos 3.500 crianças da comuna da Kizenga, no município de Cacuso, província de Malange, ficaram sem estudar durante o ano lectivo findo devido à falta de escolas e professores, revelou o administrador local, Pedro Inock.

Pelo menos 3.500 crianças da comuna da Kizenga, no município de Cacuso, província de Malange, ficaram sem estudar durante o ano lectivo findo devido à falta de escolas e professores, revelou o administrador local, Pedro Inock.
O administrador referiu que “muitos professores colocados na localidade abandonaram os seus postos de trabalho por alegada falta de condições” e precisou que para solucionar o problema se torna necessário que se construam infra-estruturas de carácter social.
Segundo Pedro Inock, o sector da saúde também enfrenta dificuldades. “Não temos um posto de saúde em condições. O que existe é apenas um local onde se presta assistência médica, mas sem as mínimas condições”, sublinhou, acrescentando que o problema vai ser solucionado em 2012 com a construção de um novo estabelecimento hospitalar na localidade.
O administrador explicou que no âmbito do Programa de Combate à Fome e a Pobreza, na comuna da Kizenda vão ser construídas, no próximo ano, naves para a conservação de 30 mil frangos, prontas entre Janeiro e Fevereiro, para servirem de apoio o projecto agro-industrial que “vai dar mais visibilidade à região e abrir portas para novos investimentos na região”.

Tempo

Multimédia