Províncias

Malanje previne doenças de foro renal

Francisco Curihingana | Malange

O director clínico do Hospital Geral de Malanje, Jacob Nlenvo, pediu à população para ter em atenção a necessidade de prevenir as doenças renais, através de pequenas acções ao alcance de todos.

O médico alertou que os casos de doenças do rim têm estado a aumentar, razão pela qual pediu às pessoas para adoptem medidas preventivas, como a prática de exercício físico, consumo de muitos líquidos, de preferência água natural, e o controlo do estado nutricional.
O director clínico aconselhou a população a recorrer aos serviços de medicina hospitalar, onde existem especialistas, antes de os casos se tornarem graves, evitando, deste modo, o recurso a práticas tradicionais ou caseiras para resolver esses problemas. O médico Jacob Nlenvo recordou que experiências de especialistas em rim dão conta que “se este mal for detectado precocemente, pode ser tratado”, reduzindo-se drasticamente o peso crescente de mortes e invalidez por doença renal e cardiovascular crónica em todo o mundo.

Centro de Hemodiálise


O Centro de Hemodiálise do Hospital Geral de Malanje, que funciona há quatro meses, assiste cinco pacientes com insuficiência renal crónica, dados que, na sua perspectiva, não reflectem a realidade da província relativamente ao número de doentes com o problema.
Jacob Nlenvo, que falava na quinta-feira em alusão ao Dia Mundial do Rim, disse que todos os pacientes assistidos na unidade clínica estão a receber tratamento ambulatório, tendo em conta a sua evolução positiva.
Destacou, ainda, a capacidade profissional dos técnicos de enfermagem daquele centro, salientando que, no âmbito da política do Ministério da Saúde, têm participado em várias acções de formação.
Com uma nefrologista, o Centro de Hemodiálise do Hospital Geral de Malanje dispõe de três camas para internamento e atende diariamente entre seis a nove pacientes.
Quanto aos medicamentos, o centro dispõe de quantidades suficientes para atender a procura, uma vez que, independentemente do orçamento destinado ao hospital, as instituições centrais prestam a máxima atenção ao fornecimento de medicamentos essenciais.

Tempo

Multimédia