Províncias

Matriculadas milhares de crianças em Benguela

Maximiano Filipe | Benguela

O director provincial da Educação, Joaquim Pinheiro, anunciou segunda-feira, em Benguela, que 570 mil alunos do ensino Primário ao Secundário estão matriculados para o ano lectivo de 2010, na província.

Mais crianças vão aprender a ler e a escrever na província de Benguela
Fotografia: Jornal Angola

O director provincial da Educação, Joaquim Pinheiro, anunciou segunda-feira, em Benguela, que 570 mil alunos do ensino Primário ao Secundário estão matriculados para o ano lectivo de 2010, na província.
De acordo com Joaquim Pinheiro, para assegurar a actividade docente da iniciação à 13ª classe, o sector tem à sua disposição 17 mil professores e 1.200 escolas. Do corpo docente fazem parte 28 professores estrangeiros, entre os quais portugueses, vietnamitas e brasileiros, contratados no quadro do projecto de melhoria e troca de experiências entre Angola e esses países no sector da Educação.
Segundo Joaquim Pinheiro revelou, o projecto de merenda escolar, que está a ser implementado pelo governo em parceria com a ONG JAM, beneficia, anualmente, cerca de 200 mil alunos das escolas na periferia das cidades. O programa vai ter continuidade este ano, por se tratar de uma componente fundamental na diminuição do índice de abandono escolar e no aumento do aproveitamento escolar dos alunos.
A formação contínua e a superação dos quadros técnicos e docentes estão a ser desenvolvidas em colaboração com o sector de inspecção escolar, visando melhorar a qualidade no funcionamento normal do sector, e vão continuar.
O sector da Educação está preocupado com as insuficiências que estão a registar-se no projecto de distribuição de manuais escolares, uma vez que os mesmos nem sempre chegam aos verdadeiros destinatários, explicou Joaquim Pinheiro. Recorde-se que este projecto do Governo visa apoiar os pais e encarregados de educação sem recursos financeiros para suportar os encargos escolares dos filhos. 
 
Melhor qualidade de ensino

Segundo o director da Educação, a necessidade de se profissionalizar a supervisão e inspecção escolar está na base da criação de uma parceria entre o Ministério da Educação e a UNESCO, para a superação de quadros nestes dois sectores. O governador Armando da Cruz Neto considera urgente a realização de acções de formação para o aumento da qualidade no sector e justifica que só assim se fortalecem os recursos humanos e a capacidade institucional em função dos esforços que têm sido empreendidos neste domínio.
O governador de Benguela acredita que com a implementação de acções formativas, serão dadas respostas pontuais aos factores que contribuem para os fracos resultados obtidos nos estabelecimentos escolares, nomeadamente a débil formação pedagógica de muitos professores e o deficiente acompanhamento dos alunos pelos seus pais e encarregados de educação.
Armando da Cruz Neto referiu a necessidade de se revitalizar a intervenção do papel do inspector escolar de modo concertado, face aos desafios do presente e futuro que cada vez mais exigem audácia, perspicácia e saber.
O chefe de departamento de Inspecção da Direcção Provincial da Educação de Benguela, Roberto Jonhston, lamenta que o actual número de inspectores escolares que a província possui seja tão ínfimo tendo em conta o actual número de infra-estruturas em construção na província e a falta de meios de trabalho que permitam a extensão do verdadeiro papel da inspecção de forma mais profissionalizada.
De acordo com o responsável, estão a ser formuladas estratégias para desenhar um plano de formação que contemple as necessidades de desenvolvimento profissional dos inspectores e supervisores escolares.
Relativamente à reforma do sistema de inspecção escolar, Roberto Jonhston afirmou ser possível criar um sistema de inspecção capaz de promover o controlo e a avaliação da qualidade de ensino, mediante o fortalecimento institucional dos estabelecimentos escolares e garantir a produção de informações relevantes para a tomada de decisões.

Tempo

Multimédia