Províncias

Mau estado das vias atrasa o crescimento

Alfredo Ferreira | Bula Atumba

O mau estado das estradas que ligam a sede municipal de Bula-Atumba a outras localidades, bem como a falta de serviços de telecomunicações, dificultam o desenvolvimento da região, disse ao Jornal de Angola o administrador municipal, Domingos Ventura Neto.

Empresas contratadas para a reabilitação das estradas do município estão atrasadas com as obras
Fotografia: Santos Pedro

O mau estado das estradas que ligam a sede municipal de Bula-Atumba a outras localidades, bem como a falta de serviços de telecomunicações, dificultam o desenvolvimento da região, disse ao Jornal de Angola o administrador municipal, Domingos Ventura Neto.
O administrador sublinhou que esta situação desencoraja empresários a investirem na localidade, o que torna difícil a vida aos munícipes. As más condições das estradas impedem o escoamento dos produtos produzidos no município, que acabam por se estragar, disse.
Domingos Ventura Neto informou que já foram contratadas empresas para reabilitarem a estrada no troço Kibaxe/Bula-Atumba, num percurso de 45 quilómetros, mas as obras estão bastante atrasadas.
O administrador disse que estão a ser encetados contactos com as operadoras de telefonia Unitel, Movicel e Angola-Telecom para que o município possa dispor de serviços telefónicos.

Saúde está a precisar de  muitos quadros

Relativamente ao sector da saúde, o administrador de Bula-Atumba disse que o município conta apenas com um médico, o que é insuficiente para atender as duas comunas da circunscrição. A vila de Bula-Atumba tem um hospital municipal, que precisa de ser ampliado e reabilitado, dado o número de pacientes que lá acorrem.
Além do hospital municipal, Bula-Atumba dispõe de postos médicos rurais, mas não tem enfermeiros em número suficiente.
Segundo o administrador, existe já um plano de recrutamento de enfermeiros, técnicos médios, básicos e pessoal administrativo para servir o sector da saúde.

Educação no bom caminho

Domingos Ventura Neto disse que o sector da educação está bem servido.O município conta com 32 escolas, do primeiro e segundo ciclos de ensino.
Actualmente, apenas 85 crianças estão fora do sistema normal de ensino.
“Faltam-nos professores para enquadramento desses alunos e melhoria da qualidade do ensino, de forma a cumprirmos com os objectivos da Unesco de dar educação para todos até 2015”, disse.

Tempo

Multimédia