Províncias

Milhares de animais domésticos vão ser vacinados contra a raiva

António Gonçalves | Benguela

Na província de Benguela está previsto serem vacinados contra a raiva - durante a campanha nacional, que decorre desde o dia 19 e termina em 10 de Março - 24 mil animais domésticos.

Campanha nacional de vacinação anti-rábica está a mobilizar pessoas e meios em todas as províncias de Angola
Fotografia: Santos Pedro

Na província de Benguela está previsto serem vacinados contra a raiva - durante a campanha nacional, que decorre desde o dia 19 e termina em 10 de Março - 24 mil animais domésticos.
João Mendes de Carvalho, chefe de departamento provincial de veterinária, disse que Benguela recebeu, para esta campanha, 11 mil dozes de vacinas anti rábica, que foram distribuídas pelos nove municípios.
No ano passado foram vacinados 11.634 animais. Agora, foram instalados postos fixos em seis zonas.
 
População alertada
 
Tendo em conta o perigo que constitui a transmissão da raiva do animal para o homem, o departamento provincial de veterinária pede à população para que denuncie existência de cães não vacinados ou vadios, pois a mordedura de um animal doente pode levar à morte.
“Uma pessoa mordida por um cão não vacinado necessita de cinco doses da vacina anti rábica. Tomar apenas uma e pensar que está fora do perigo é o mesmo que encomendar a morte, pois o período de encubação é de dez dias”, advertiu João Mendes de Carvalho.
Mesmo nos casos em que se é mordido por cães localizados e vacinados, o procedimento recomendado é levar o animal às instalações do departamento provincial de veterinária para se confirmar a sua imunidade e mantê-lo sob vigilância, enquanto que a vítima deve ser transportada para a delegacia de saúde para ser tratada.

Exploração de eucaliptos

O Governo da província de Benguela ordenou a proibição, a partir de segunda-feira, da exploração da madeira de eucaliptos, no Alto Catumbela, município da Ganda, 220 quilómetros a sudeste da cidade de Benguela, pelas empresas exploradoras. A medida foi dada a conhecer pelo administrador municipal da Ganda, Caetano Mateus Lopes, numa reunião extraordinária do seu executivo, realizada a semana passada, chamando à atenção da direcção do Complexo Industrial da Celulose e Papel de Angola (ccpa), para o devido cumprimento da orientação governamental com vista a impedir o abate indiscriminado dos eucaliptos na região.
O responsável argumentou que as empresas que exploram actualmente a madeira de eucaliptos não se preocupam com a nova plantação replantação, e com isso estão a devastar enormes perímetros florestais. Referiu que as empresas a “Macro-serviços, Amo tapo” e “Eléctrica Lda”, autorizadas pelo Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola (Idia) e uma empresa chinesa, que neste momento procede ao estudo de prospecção na área, fazem exploração e possuem contratos, sem o conhecimento e consentimento do governo da província. Caetano Lopes revelou que o governador da província de Benguela, Armando da Cruz Neto, orientou que a partir de segunda-feira toda a exploração no município da Ganda, província de Benguela, seja paralisada.
O comando municipal da Ganda da Polícia Nacional foi igualmente informado, com vista a tomar medidas necessárias e fazer o acompanhamento imediato junto das empresas visadas, para o cumprimento da orientação.

Tempo

Multimédia