Províncias

Milhares de habitantes com mais água potável

Isidoro Samutula | Dundo

Cerca de oito mil habitantes das localidades de Cangongo, Mulo, Chico Mateus e Mungua Quinguri, no município do Xá-Muteba, província da Lunda-Norte, contam, com mais água potável, na sequência da inauguração de sistemas de captação, tratamento e abastecimento.

População de áreas rurais do município de Xá-Muteba deixa de percorrer distâncias em busca de água para o consumo diário
Fotografia: Joaquim Aguiar | Edições Novembro

A inauguração dos referidos sistemas no fim-de-semana (11/10) deste, enquadra-se nas estratégias das autoridades locais que visam melhorar a qualidade de vida da população nas zonas rurais, bem como prevenir a proliferação de doenças provocadas pelo consumo de água imprópria.
O governador da Lunda-Norte, Ernesto Muangala, disse que a construção dos sistemas de captação e abastecimento de água às zonas rurais teve início em 2014, a cargo da empresa Israelita Mittnelli, mas, por razões financeiras, as obras foram paralisadas em 2015 e retomadas em Maio do ano em curso.
Ernesto Muangala pediu à população para conservar e proteger os sistemas de abastecimento de água e outros bens públicos que nunca existiram nas referidas localidades e que marcam uma mudança qualitativa do nível de vida da população das comunidades beneficiárias. O governante aproveitou a oportunidade para anunciar outros projectos sociais que vão ser desenvolvidos no município de Xa-Muteba, com financiamento do fundo europeu, em que a província da Lunda-Norte foi contemplada com cerca de 30 milhões de dólares.
O programa, de acordo com o governador provincial, prevê a construção de um hospital materno infantil, duas escolas com dez salas de aula cada, uma com seis salas e um campo multiuso.
O governador avançou ain-da que a disponibilização do fundo municipal de equilíbrio, estimado mensalmente em 25 milhões de kwanzas, vai permitir dar maior dinamismo à execução de vários projectos sociais paralisados por falta de financiamento e assegurar a curto prazo melhores condições de vida às populações.
Para o administrador municipal de Xá-Muteba, Joaquim Miguel, a expansão dos serviços de abastecimento de água às populações das zonas rurais é um ganho significativo, pois “a população sobreviveu ao longo dos anos com água retirada em cacimbas e lagoas que surgem no tempo de chuva”.
O administrador municipal garantiu que o seu pelouro vai tomar medidas para proteger e conservar os sistemas de captação e abastecimento, bem como evitar a sua vandalização. Segundo o administrador, a empresa construtora garantiu a assistência técnica, durante um ano, dos sistemas inaugurados.
Joaquim Miguel informou que o abastecimento de água ao município do Xa-Muteba vai melhorar substancialmente, com a conclusão, em Dezembro próximo, de um sistema de maior dimensão, que contempla dez chafarizes e 80 ligações domiciliárias, na sede municipal.

Apoio às zonas rurais
As comunidades de Cangongo, Mulo, Chico Mateus e Mungua Quinguri são as primeiras beneficiárias do projecto de expansão de sistemas de abastecimento de água potável  às zonas rurais. São no total quatro sistemas de água, um em cada uma das localidades, 23 chafarizes, quatro balneários e oito torneiras públicas.
A localidade de Mungua Quinguri conta com 19 chafarizes, por ter maior número de habitantes, cinco mil no total. Foram também construídos dois tanques que armazenam 600 metros cúbicos de água e instaladas electrobombas.
Nas localidades de Cangongo, Mulo e Chico Mateus, por terem poucos habitantes, foram instalados sistemas com capacidade para bombear cinco metros cúbicos de água por hora. As referidas localidades contam também com tanques de 120 metros cúbicos de água.
A administração municipal de Xa-Muteba assegurou que o fornecimento de água potável nessas comunidades será feito de forma periódica, sendo duas horas no período matinal e duas no período vespertino.
Essas medidas, segundo técnicos da administração municipal, visam garantir o uso racional dos equipamentos, combustível e educar a população para a necessidade da preservação dos bens públicos postos à sua disposição.
A satisfação da população foi manifestada pelo soba Cabeto Camuanhi, da localidade de Cangongo, lembrando que para trás ficam as dificuldades que as comunidades enfrentavam em busca de água.
“As mulheres eram obrigadas a sair às 5 horas da manhã para ir às cacimbas para conseguir água. Esses momentos tristes ficaram para trás”, regozijou-se o soba Cabeto Camuanhi.

Tempo

Multimédia