Províncias

Ministério da Assistência Social reforça ajuda às pessoas carentes

Tatiana Marta | Huambo

A Direcção Provincial do Huambo do Ministério da Assistência e Reinserção Social (MINARS) apoiou com bens diversos, durante o ano de 2009, mais de mil famílias carentes, no âmbito do programa do Governo de ajuda às pessoas vulneráveis.

Apoiar as populações desfavorecidas é uma das principais tarefas do Ministério da Assistência e Reinserção Social
Fotografia: Adolfo Dumbo

A Direcção Provincial do Huambo do Ministério da Assistência e Reinserção Social (MINARS) apoiou com bens diversos, durante o ano de 2009, mais de mil famílias carentes, no âmbito do programa do Governo de ajuda às pessoas vulneráveis.

A informação foi prestada pela directora provincial do MINARS, Maria Lucília, quando perspectivava as actividades a serem desenvolvidas este ano no âmbito do mesmo programa, que visa assegurar as condições mínimas de sobrevivência e proteger as famílias em situação de extrema pobreza.
Maria Lucília disse que, para este ano, a direcção tem vários projectos no domínio da assistência e promoção social dos idosos e pessoas com deficiência. Os lares e centros de acolhimento a eles destinados vão ser apoiados com géneros de primeira necessidade, cobertores, alimentos, medicamentos e meios para a criação de pequenos negócios. Alguns dos lares de idosos estão a beneficiar de obras de reabilitação com o apoio do Ministério. Na província do Huambo, o MINARS controla três centros, com um total de 467 idosos. Existem ainda seis centros que se encontram sob tutela de instituições religiosas, mas que também recebem apoio da Direcção Provincial do Ministério. “Temos idosos com deficiência física que são apoiados nas comunidades com alimentação e vestuário. Estes bens – explicou – são dados mensalmente, durante visitas domiciliares feitas por líderes de aconselhamento familiar.
O MINARS tem ainda projectos de ajuda à promoção de pequenos negócios e serviços, que podem gerar rendimentos para o sustento de famílias pobres. Exemplo disso, referiu, são os apoios concedidos para o desenvolvimento do serviço de moto-táxi, projectos de corte e costura, de carpintaria, etc. A instituição criou alguns programas que, com o mesmo propósito, têm ajudado a minimizar a carência no seio de algumas famílias. Neste âmbito, duas cooperativas agrícolas, nove de carpintaria, 12 de engraxe de sapatos e cinco cooperativas de sapataria, electricidade e mecânica foram criadas em comunidades habitadas por pessoas vulneráveis. “Houve muitos beneficiários, directos e indirectos. As pessoas passaram a ter a sua auto-sustentabilidade”, disse Maria Lucília, adiantando que o objectivo do programa não e só dar, mas também ensinar as pessoas a trabalhar para o seu próprio sustento.
No princípio deste ano, o número de beneficiários das distintas cooperativas aumentou, com a disponibilização de mais kits por parte do Governo central. O trabalho prossegue com o objectivo de se atingir o maior número possível de famílias, em todos os municípios da província, explicou.

Refugiados e regressados

O programa de apoio às pessoas vulneráveis no Huambo está também a abranger repatriados vindos da Zâmbia, Congo Democrático e Botswana. No ano passado chegaram à província 185 repatriados. Como a direcção não dispõe de um centro de acolhimento de repatriados, albergou num alojamento os que ainda não encontraram as suas famílias.
A maioria, segundo Maria Lucília, beneficiou de kits de reintegração compostos por utensílios de cozinhas, cobertores e roupa usadas. Estas pessoas também recebem bens alimentares, de dois em dois meses, até à sua reintegração nas famílias. O MINARS controla ainda, através do Departamento da Criança e da Adolescência, 16 centros infantis comunitários e um Centro de Educação Comunitária, com um total de 2.250 crianças, dos três aos cinco anos de idade.
Além disso, tem um projecto de apoio à criança órfã e vulnerável, que é desenvolvido em parceria com o Unicef e beneficia oito mil menores, nos municípios do Londuimbali e Bailundo. O processo vai conhecer maior dinamismo este ano com o apoio às mães que tutelam crianças órfãs, indo receber bens alimentares e outros. A nível do Huambo estão já identificadas 27 mães de acolhimento.
As mulheres viúvas, as crianças que chefiam a família, os idosos, os portadores de deficiência e todas as demais pessoas vulneráveis identificadas estão a receber apoio do MINARS. Este ano, este apoio vai ser intensificado, segundo a directora provincial.   

Tempo

Multimédia