Províncias

Missão Católica do Sendi alarga vagas para alunos

Estanislau Costa | Sendi

Mais de quinhentas crianças em idade escolar da Missão Católica do Sendi, município de Quipungo, vão frequentar aulas em salas condignas na nova escola do I ciclo do ensino secundário entregue à comunidade pela vice-governadora para o sector Político e Social, Maria João Chipalavela e pelo presidente regional da BP Angola, Darryl Willis.

Irmã Teresa considerou a falta de professores como um dos maiores problemas da Missão e apelou para a atracção de docentes
Fotografia: Estanislau Costa

O estabelecimento, orçado em trinta milhões de kwanzas, financiado pela BP Angola, Sonangol e Governo Grovincial da Huíla, possui seis salas de aulas, biblioteca, sala dos professores, casas de banho, área administrativa e um vasto pátio para aulas de educação física, lazer e recreação.
O padre superior da Missão Católica do Sendi, Ambrósio Kitoko, disse que a escola, além de oferecer mais conforto aos alunos e professores, vai ampliar a capacidade do acesso de mais crianças que estão fora do sistema de ensino e aprendizagem.
“A entrega ao público da nova escola aumenta o número de salas de aulas para quinze. Este facto vai satisfazer as solicitações dos pais e encarregados da educação residentes em vários pontos do Sendi que têm procurado uma vaga para enquadrar os filhos nas actividades lectivas”, afirmou o padre.
Ambrósio Kitoko, que gere a histórica missão que existe desde 1927, implantada num dos espaços de 150 hectares de terra do município do Quipungo (120 quilómetros a leste da cidade do Lubango), informou que frequentam aulas na instituição missionaria acima de 900 alunos, umaparte residente no internato.
O prelado revelou que as novas infra-estruturas colocadas à disposição da comunidade pelo Governo Provincial da Huíla e, no dia 3 de Setembro, pela BP Angola, Sonangol e RISE, entre elas um sistema de captação e abastecimento de água potável, um posto de saúde com serviços ampliados, casa dos professores e duas escolas, contribuem para o bem-estar dos habitantes do Sendi.
“A escola, inaugurada no âmbito da materialização do programa social das empresas petrolíferas baseadas no país e os outros novos equipamentos que estão ao serviço da populaçãodevem ser conservadas por todos, de modo a aumentar a sua durabilidade e a beneficiarem as novas gerações”, disse Ambrósio Kitoko.
O padre benzeu o imóvel e solicitou às demais empresas públicas e privadas para apoiarem a reabilitação da picada que dá acesso ao recinto religioso com mais de 20 quilómetros, a instalação da rede de telefonia móvel, a reabilitação da residência dos missionários e a contenção da ravina que ataca a zona. A directora da nova escola, madre Teresa Nkhulwavo,elogiou a instalação do equipamento desportivo, do material escolar e livros infantis de diversos autores distribuídos aos alunos pela comitiva da BP Angola, porque incentivam as crianças para a prática desportiva e a ganharem o gosto pela leitura.
A irmã Teresa considerou a falta de professores como um dos maiores problemas da Missão Católica do Sendi, apelando por isso para a definição de estratégias para a atracção de professores, porque “mesmo em tempo de crise do petróleo, há condições para a admissão de mais professores”.
 
Novos apoios
 
O financiamento aos projectos sociais em vários pontos do país vai continuar a ser uma prioridade da BP Angola, segundo o seu vice-presidente Paulo Pizarro. Para ele, “estes apoios favorecem a inclusão mais crianças no sistema educacional e fortalecem processo de ensino e aprendizagem no seio das comunidades”.
 Paulo Pizarro disse que a empresa já financiou, desde 2003, projectos de construção de 36 salas de aulas de aulas nas0 províncias de Luanda, Zaire, Uíge, Benguela, Huíla, Huambo e Moxico.
 “A prioridade para 2016 vai novamente para o sector da Educação pela sua importância na formação de quadros”.
O apoio ao sector permitiu já a inserção no subsistema de ensino de mais de cem mil alunos.
“No presente ano”, sublinhou o vice-presidente da BP Angola, “foi programado assegurar o financiamento para a construção de um Campo Desportivo Multiuso na cidade do Lubango”.

Tempo

Multimédia