Províncias

Moradores à beira do rio Malanje vão ser realojados nas “500 Casas”

Eduardo Cunha, Venâncio Victor e Francisco Curihingana | Malanje

As populações residentes à beira do Rio Malanje, onde vão decorrer os trabalhos de desassoreamento , serão realojadas no Projecto 500 Casas, já concluído na área urbana do bairro social da Carreira de Tiro, garantiu o governador Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”.

Governador de Malanje, Kwata Kanawa, encabeçou uma delegação do Governo Provincial que visitou o local das obras
Fotografia: Eduardo Cunha | Edições Novembro | Malanje

O governante, que falava durante uma visita ao local onde será feito o dessareamento, disse que as 500 Casas “foram construídas exclusivamente para realojar as populações que residem ao longo da beira do rio Malanje”, porque as suas residências vão ser demolidas.
Kwata Kanawa alertou que “não vão ser aceites cartas de habitantes de outras localidades a solicitarem residências no Projecto 500 Casas, cuja via de acesso ja foi reabilitada.
Segundo o governador , o Projecto das 500 Casas carece ainda de infra-estruturas básicas, como energia e água. “As residências foram construídas para as famílias que vivem próximo do rio, pelo que os habitantes de outras localidades devem escusar de formular pedido ao Governo Provincial para a obtenção de casas”, alertou.

Visita a outros empreendimentos

O governador de Malanje visitou, igualmente, as obras da centralidade da Carreira de Tiro, onde estão a ser construídos 200 apartamentos de várias tipologias, a antena da TPA, localizada no Quéssua, o novo sistema de captação de água no Quissol, a Casa da Juventude e a escola especial na Catepa.
Kwata Kanawa disse que as obras da centralidade estão em bom andamento , garantindo que o Ministério do Território e Urbanismo “vai efectuar brevemente” a segunda tranche do pagamento dos trabalhos.

Projecto custa 45 milhões de dólares

O Projecto de Desassoreamento do rio Malanje, orçado em 45 milhões de dólares, arranca no dia 31 do corrente, e será concluído em 12 meses, garantiu Kwata Kanawa.
“Quando as obras estiverem concluídas a cidade de Malanje terá uma imagem bem melhor”, disse , apelando a empreiteira chinesa CAMC, que está a realizar os trabalhos para recrutar grande parte da mão-de- obra na província.
Os trabalhos de desassoreamento visam ,fundamentalmente, restabelecer as condições de escoamento no caudal do rio, para que a cidade possa suportar, sem constrangimentos, as cheias provocadas pelas elevadas precipitações pluviais.
“ Estas obras vão garantir qualidade de vida às populações dos bairros limítrofes, concretamente de Camona, Cahála, Caxito e Cafucufuco”, adiantou o governador.
A par dos trabalhos de desassoreamento, vão ser realizadas obras de drenagem pluvial nas margens do rio, reparação e beneficiação do açude, que tem uma extensão de 100 metros.
Vai ser substituído o descarregador das cheias e serão instaladas comportas metálicas de controlo do caudal .
O Governo de Malanje, augura, com as obras na margem do rio, minimizar o impacto ambiental provocado pelo assoreamento de detritos presos pelo açude, segundo o director do Gabinete Provincial para Infra-estruturas e Serviços Técnicos, Miguel Correia.

Tempo

Multimédia