Províncias

Motoristas lamentam a redução de clientes

Delfina Victorino

O número de viaturas,  para a transportação de mineiros, aumentou de forma considerável nos últimos meses no mercado do Chissindo, localizado na zona periférica da cidade do Cuito, província do Bié, ao passo que os clientes têm vindo a diminuir, devido ao encerramento de algumas obras e empresas privadas de construção civil.

Fotografia: EDIÇÕES NOVEMBRO

João Mavinga, de 32 anos, técnico médio e motorista há cinco anos, reconhece a redução de clientes na compra de areia e brita, em comparação com os anos anteriores. Para o jovem, o negócio já teve  muita facturação, com o aumento do número de obras no município do Cuito e arredores, situação que se inverteu devido a crise.
Joaõ Mavinga salientou que uma viatura “Canter” cheia de areia está actualmente no valor de dez mil kwanzas, independentemente da distância percorrida pelo motorista. Logo à entrada do mercado do Chissindo é visível o fluxo de viaturas a exercer a actividade de táxi e carregamento de materiais diversos, incluindo o aluguer para os materiais de construção.
O bairro de Caluapanda e as zonas próximas aos rios são os locais de fornecimento de areia e pedras para a construção. Quanto às britadeiras existentes, os motoristas afirmaram que o número é ainda insuficiente, por isso o preço é elevado, por falta de concorrência no mercado. 
O preço do aluguer de uma basculante de areia e/ou brita varia de 30 a 35 mil kwanzas, de acordo com a dimensão da viatura.
Nos preços estipulados ficam incluídos o carregamento e descarregamento dos produtos.

Tempo

Multimédia