Províncias

Camponeses do Moxico recebem crédito

Samuel António | Luena

As famílias camponesas da Associação Suku, no Moxico, estão envolvidas na campanha agrícola 2011/2012 e, para aumentarem os seus rendimentos, receberam sementes e instrumentos de trabalho, custeados com crédito de campanha.

As famílias camponesas da Associação Suku, no Moxico, estão envolvidas na campanha agrícola 2011/2012 e, para aumentarem os seus rendimentos, receberam sementes e instrumentos de trabalho, custeados com crédito de campanha.
A entrega das sementes e instrumentos de trabalho foi feita na localidade do Lungo, a  30 quilómetros da cidade  do Luena.
 Esteve presente a vice-governadora para os assuntos sociais e políticos,  Adriana Cacuassa Bento, e representantes dos bancos credores  no quadro da abertura do presente ano agrícola.
Adriana Cacuassa Bento revelou que os financiamentos no âmbito do crédito de campanha vão ser alargados a outros grupos de camponeses associados para facilitar e aumentar a produção.  
A vice-governadora sublinhou  que o Executivo, em parceria com os bancos, vai continuar a prestar apoio às associações e cooperativas agrícolas, através de crédito de campanha para melhorar os níveis de rendimento e de produção no  seio das famílias camponesas. 
O objectivo, explicou Adriana Cacuassa Bento, é garantir a auto-suficiência alimentar e contribuir  para o aumento do rendimento das famílias, da capacidade produtiva, a oferta de produtos no mercado local e do número de associações de camponeses e cooperativas agrícolas no meio rural.
Com a reparação  das estradas secundárias e terciárias,  o circuito comercial vai registar melhorias no escoamento de produtos do campo para cidade, o que permite aos camponeses adquirir bens essenciais à sua sobrevivência, afirmou Adriana Cacuassa Bento.        

Crédito para todos

A vice-governadora pediu às famílias camponesas que receberam o crédito agrícola de campanha para cumprirem os prazos de reembolso juntos dos bancos, para que outros também possam beneficiar do programa. Salientou ainda  que o crédito vai permitir o desenvolvimento das comunidades rurais e o relançamento da produção agrícola, no âmbito do programa de combate á pobreza.
O representante do BPC no Luena, José Domingos Assis, assegurou  que o banco tem todas as  condições criadas para que os camponeses beneficiem do financiamento, desde que se dirijam às Administrações Municipais,  onde os  interessados devem, numa primeira fase, preparar alguns documentos para o acesso ao crédito. 
 José Domingos Assis revelou que o valor máximo a conceder para cada associado é de 500 dólares  a uma taxa de juros de cinco por cento. O empréstimo, afirmou, deve  ser reembolsado num período de dez meses.
O responsável do BCP na província do Moxico disse que o objectivo do empréstimo é permitir aos camponeses, organizados em cooperativas e associações, a aquisição de equipamentos, sementes e outros meios de trabalho.
 
Aumento da produção

O director  da  Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural do Moxico, António Augusto da Silva, afirmou que para o presente ano agrícola estão preparados 248 mil hectares para o cultivo.
Augusto da Silva referiu que, com o apoio prestado aos camponeses associados, através do programa  de crédito de campanha, os níveis  de produção vão aumentar, o que garante o auto-sustento e gera rendimentos  para o bem-estar dos camponeses da região e das suas famílias.
 Optimista pelo trabalho que está a ser feito pelas associações de camponeses, António da Silva perspectiva uma colheita de  um milhão de toneladas de produtos. “Prevemos um resultado que vai animar os camponeses para incentivá-los a trabalhar”.
Disse ainda que o  crédito vai ampliar a produção através de fertilizantes e de outros meios de produção, criar excedentes e aumentar cada vez mais os níveis de rendimentos das famílias.
Os camponeses com este programa, afirmou,  têm maior possibilidade de crédito para melhorar o nível de vida, promover o comércio rural e participar nos esforços do desenvolvimento sustentável  que o país pretende.
No passado mês de Abril,  o BCI concedeu 28 milhões  de kwanzas a 470 camponeses organizados  em  dez associações.
 O director  da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural do Moxico disse que o crédito de campanha constitui uma das vias que o Executivo  encontrou para minimizar as carências  que os camponeses enfrentam no seu dia a dia e pediu o cumprimento dos prazos de reembolso dos fundos.
A Direcção  da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural do Moxico tem as portas abertas  para todo o apoio técnico aos camponeses: “vamos continuar a  dar  o nosso apoio para que melhore cada vez mais  o trabalho dos camponeses,  através de  mecanismos adequados  que permitam uma produção agrícola com bons rendimentos”.
Para o regedor de Suku,  a concessão de crédito de campanha vai facilitar aos camponeses  a aquisição de instrumentos de trabalho, sementes e outros equipamentos para aumentar a produção agrícola.
“Estamos satisfeitos porque o camponês tinha poucas soluções para aumentar a produção e os seus rendimentos. Mas com este programa, ficamos em condições de  trabalhar para o auto-sustento e para o comércio”, disse o regedor.
A execução do programa de crédito de campanha  está a produzir  resultados  positivos  para as famílias camponesas, já que permitiu aumentar as áreas do cultivo. Com o crédito, os camponeses adquiriram equipamentos que têm facilitado  a actividade do campo.
Na mensagem de agradecimento, os camponeses associados reconheceram os esforços do Executivo angolano e prometeram cumprir na íntegra todos os requisitos acordados no memorando.

Tempo

Multimédia