Províncias

Complexo residencial para idosos no Luena

Samuel António|Luena

Um complexo residencial para albergar um universo de 156 idosos, propriedade do Ministério da Assistência e Reinserção Social (MINARS), está a  ser construído na cidade do Luena, província do Moxico.

Idosos da província do Moxico vão ter melhores condições de acomodação
Fotografia: M. Machangongo

Um complexo residencial para albergar um universo de 156 idosos, propriedade do Ministério da Assistência e Reinserção Social (MINARS), está a  ser construído na cidade do Luena, província do Moxico.
A empreitada será oficialmente entregue em Maio do próximo ano, assegurou Stanisley da Silva, responsável da obra, tendo adiantado que os atrasos no pagamento das verbas condicionaram a conclusão atempada das obras.
O empreendimento, estimado em mais de mil milhões e meio de kwanzas, está a ser implantado numa área de 22 mil metros quadrados entre os bairros Sangondo e Sinai Novo.
O condomínio está constituído de blocos residenciais, área de lazer, piscina, refeitório, sala multiuso, enfermaria, tanque com capacidade para 118 mil litros de água e um restaurante, que estará também aberto ao público das referidas comunidades. /> Os quartos estão todos climatizados e adaptados para as pessoas portadoras de deficiências, visto que o governo pretende dar um lugar de excelência e de habitabilidade aos idosos, salientou o responsável da construtora.
O complexo possui, entre outros, um parque de estacionamento para viaturas e um terreno para cultivo de produtos hortícolas.
As obras para a construção do complexo arrancaram nos primeiros meses de 2008 e envolveram inicialmente mais de 170 trabalhadores, entre nacionais e estrangeiros. Boa parte destes conseguiu nesta empreitada o primeiro emprego. De acordo com o responsável da obra, o lugar está a ser preparado para acolher igualmente grandes eventos. “Estamos a preparar este condomínio para responder às exigências não só para os idosos, que  poderão viver aqui, mas torná-lo num espaço de referência para todos”, concluiu.

Tempo

Multimédia