Províncias

Equipamentos melhoram a vida na Cameia

Lino Vieira | Lumege Cameia

A construção e reabilitação de escolas, centros de saúde, 200 fogos habitacionais, esquadra da polícia, residências para idosos, professores, enfermeiros e autoridades tradicionais, está a pôr o município da Cameia, no Moxico, no caminho do desenvolvimento.

Novas casas são erguidas no município
Fotografia: Lino Vieira | Lumege Cameia

As novas infra-estruturas sociais, erguidas pelo Governo Provincial no âmbito do Programa de Investimentos Públicos e de Combate à Pobreza, estão a mudar a imagem do município e a contribuir  para o bem-estar da população.
O administrador municipal, Rodrigues Chipango, salientou o facto de actualmente a população já não ter motivos para percorrer longas distâncias em busca de serviços sociais básicos.
Nos últimos 12 anos, salientou  o responsável, foram construídas na Cameia um hospital municipal com  62 camas, nove postos de saúde, um centro materno infantil, campo multiusos, lar dos idosos com 25 residências, um mercado municipal, 15 escolas do ensino primário, primeiro ciclo e secundário.  
Até  ao final do terceiro trimestre deste ano,  o município da Cameia vai ter quatro  novas escolas de 10 e 14 salas, que vão absorver, no próximo ano lectivo, mais crianças que ainda se encontram fora do sistema de ensino.
No quadro do Programa de Investimentos Públicos, salientou a construção, na sede da Cameia, de uma esquadra da Polícia Nacional e a conclusão das 100 fogos habitacionais, dos 200 previstos.
No cumprimento do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza,  está em curso a construção de mais de 20 casas evolutivas, duas residências para enfermeiros, duas para os sobas das localidades de Chijimbeji e Mucapa, além de posto de saúde na localidade de Mucapa.Em relação ao  Programa "Água para todos”, esclareceu que está prevista, para o próximo mês, a construção de dois sistemas de distribuição de água, nas localidades de Mafanda Nhaculanda e bairro dos idosos.
O sector da Educação necessita de mais salas e, devido a isso, muitas crianças ficaram fora do sistema do ensino este ano lectivo, apesar de estarem matriculadas, em todos os subsistemas de ensino, 12.043 alunos.
Além da falta de salas, Rodrigues Chipango disse que o grande problema está também relacionado com o número de professores, que considerou insuficiente para dar resposta à procura. No total, 295 professores cobrem toda a extensão do município, sendo necessários pelos menos mais 50.
O  Programa  de Merenda Escolar abrange 3.792 crianças do município da Cameia, mas no próximo ano lectivo as autoridades locais querem que mais alunos beneficiem deste programa.   
O sector da Saúde, com 77 enfermeiros e três médicos, sendo um angolano e dois estrangeiros, necessita de especialistas em cirurgia, ginecologia e um anestesista para atender o bloco operatório.
O fornecimento de energia eléctrica à sede  do município e bairros periféricos é feito através de um grupo gerador.

Tempo

Multimédia