Províncias

Estado social está no Luau

Fula Martins| Luau

Empresas, pensionistas e jovens em busca de formação profissional e do primeiro emprego têm agora a vida mais facilitada no Luau, Moxico, com a inauguração, pelo ministro Pitra Neto, dos Serviços Municipais de Segurança Social.

Regresso do comboio tem grande valor para a economia regional porque permite reatar as exportações do cobre do Katanga (RDC)
Fotografia: Francisco Bernardo

Dezenas de jovens conseguiram o primeiro emprego nos Serviços Municipais de Segurança Social do Luau.
Cláudio Muajiji, 27 anos, formado em informática pelo Instituto 11 de Novembro do Moxico, foi com alegria que soube da sua admissão como funcionário na Segurança Social.
Cláudio trabalhava antes numa pequena empresa comercial, onde se limitava a tirar fotocópias. O novo emprego abre-lhe grandes perspectivas.
Ambrósio Chinguri, de 20 anos, considerava-se um vencedor ao conseguir o primeiro emprego: “Venci mais uma batalha das muitas que tenho pela frente”, afirmou. Formado em Ciências Económicas e Jurídicas pelo Instituto11 de Novembro do Moxico, realçou a importância da nova estrutura criada no Luau para o funcionamento das empresas locais mas também para os reformados e jovens em busca de formação profissional.
Animado com a garantia de um salário ao nível das funções que ocupa, projecta dar continuidade aos estudos e ajudar a família. No futuro, pensa abrir um negócio.
Carlota Mwatsiawa, 22 anos, a única mulher colocada na área da Segurança Social no Luau, falou das dificuldades que teve para conseguir o primeiro emprego, mas logo que concluiu a formação média em Administração Pública, foi contratada para este trabalho. Embora longe dos pais, que vivem no Luena, disse que se sente bem a trabalhar no Luau.

Satisfação dos reformados

Os antigos trabalhadores do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) estão satisfeitos com a entrada em funcionamento dos Serviços Municipais de Segurança Social no Luau.
Rui Cata Saluseke, 80 anos, foi admitido em 1964, no Luena, e depois transferido para a então Vila Teixeira de Sousa, actual Luau, onde fixou residência e constituiu família.
Por causa da guerra, em 1984 teve de se refugiar com a família na República Democrática do Congo, de onde regressou após a conquista da paz. É hoje o soba do bairro Comandante Dangereux.
Com a abertura dos novos serviços da Segurança Social, diz que os antigos funcionários do CFB podem ver resolvidas as questões relativas à reforma. Lembrou que no passado tinham que percorrer centenas de quilómetros até ao Luena ou Saurimo para aceder a esses serviços do Estado. Muitos antigos trabalhadoresdos caminhos-de-ferro acabaram por desistir devido às distâncias e aos custos das viagens. Outro antigo funcionário do CFB, Salvador Lusivwa, pediu à direcção da empresa celeridade no registo e processamento de todos os que se encontram nessa situação.

Políticas da juventude

O ministro da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social afirmou que a inauguração dos Serviços de Segurança Social do Luau acontece na perspectiva do crescimento económico e demográfico que o município vai conhecer com a abertura dos caminhos-de-ferro e da cooperação inter-regional.
Pitra Neto referiu que a nova estrutura entra de imediato em funcionamento: “Tivemos um período de pré-operação, em que preparámos os quadros, ajustámos os equipamentos, estabelecemos as conexões necessárias para estarmos ao serviço da população e dos empresários locais”, realçou o ministro. Os Serviços Municipais da Segurança Social do Luau têm como componentes principais o Serviço de Empreendedorismo e Emprego, Serviço de Segurança Social e uma Agência Bancária.
O deputado Sérgio Luther Rescova, presente na inauguração, considerou que se trata de uma infra-estrutura importante por estar ligada à questão do emprego, pelo que a juventude é a principal beneficiada.
O deputado disse à nossa reportagem que a par do regresso do comboio ao Luau, “estes serviços da Segurança Social são muito importantes e devemser valorizadosjá que associam a possibilidade da formação técnica e profissional, à constituição de empresas”.

Luau em mudança


Luau faz fronteira a Leste com a República Democrática do Congo, a Norte com o município de Muconda, a Oeste com o município do Luacano e a Sul com o Alto Zambeze. Com uma extensão territorial de 3.893 quilómetros quadrados, a sede está situada a 362 quilómetros da cidade do Luena, capital provincial do Moxico.
Com o restabelecimento da ligação ferroviária através do CFB, foram realizadas grandes obras, como o asfaltamento de 30 quilómetros de ruas, com os respectivos lancis e passeios, sistemas de esgotos e drenagem de águas pluviais.
A vila é a última estação em território nacional, do Corredor do Lobito, uma infra-estrutura fundamental para desencravar vastas áreas da República Democrática do Congo e da Zâmbia. O regresso do comboio ao Luau tem um grande valor para a economia regional, porque permite reatar as exportações do cobre do Katanga (RDC) através do Porto do Lobito.
A vila tem uma estrutura arquitectónica própria, dividida em quarteirões por ruas paralelas horizontais e verticais e amplos jardins. É um centro ferroviário típico. A população do município dedica-se à agricultura, exploração de madeira, mel e pesca artesanal.
A inauguração das instalações dos Serviços Municipais de Segurança Social do Luau foi testemunhada pelo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Hélder Vieira Dias, o ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, o governador do Moxico, João Ernesto dos Santos, deputados e representantes da sociedade civil da província.
A partir de agora a vila ferroviária do Luau volta a desempenhar um papel importante na economia regional. Por isso, o Executivo está a ditá-la de todas as infra-estruturas que respondam de forma célere às necessidades e desafios que se colocam ao desenvolvimento social e económico.

Tempo

Multimédia