Províncias

Maternidade do Moxico com falta de fármacos

José Rufino | Luena

A maternidade provincial do Moxico está a encontrar grandes dificuldades no  atendimento  aos  pacientes que procuram diariamente aquele estabelecimento hospitalar, devido à falta de medicamentos e de outros materiais gastáveis, segundo o director da instituição. 

Falta de medicamentos condiciona o normal funcionamento da maternidade do Moxico
Fotografia: Edições Novembro

Rotano António Tchinguli, que lamentou o facto, sublinhou que a empresa fornecedora de medicamentos à maternidade provincial do Moxico alega a falta de divisas para adquirir o material a partir do exterior do país.
Outro problema que está a tirar o sono à direcção da maternidade, segundo o responsável, tem a ver com a interrupção no fornecimento da energia eléctrica, uma situação que tem sido constante nos últimos meses. Rotano António Tchinguli afirmou que a maternidade recebe constantemente muitos doentes em estado de saúde preocupante e a energia eléctrica é fundamental para o funcionamento dos equipamentos. Esclareceu que a maternidade geralmente só tem energia eléctrica no período nocturno e que, para tentar contornar a situação, que já se alastra há meses, a direcção da instituição tem recorrido aos geradores, situação completamente complicada, devido à falta de recursos financeiros para o abastecimento e outros gastos em manutenção.    
Apesar de vários constrangimentos, a maternidade provincial do Moxico realizou de Janeiro a Outubro do corrente ano 3.658 partos, mais 30 em relação a igual período do ano anterior, de acordo com o director Rotano António Tchinguli.
Ainda durante o corrente ano foram realizadas 315 cesarianas, 4.423 consultas de planeamento familiar, sete mil consultas pré-natais e 142 nados mortos, segundo Rotano António Tchinguli.
Ainda neste mesmo período foram efectuados 5.815 consultas de puericultura, 3.456 criança vacinadas contra o sarampo, febre-amarela, administração da vitamina A, B e foram feitos mil testes de HIV-sida a mulheres grávidas, 55 dos quais deram positivos.

Tempo

Multimédia