Províncias

Nasce no Luena uma nova cidade

Manuel António | Luena

As obras da primeira fase de construção da centralidade do Luena (Moxico), com 425 apartamentos, em construção no bairro social da juventude, terminam no mês de Março do próximo ano, anunciou ontem o director provincial da empresa Kora. O projecto final da nova centralidade contempla um total de três mil apartamentos.

Milhares de famílias da província do Moxico vão ter direito a habitações de grande qualidade no âmbito do programa do Executivo de fomento habitacional
Fotografia: Daniel Benjamim

Michael Schwartz disse que as habitações vão ser construídas num espaço amplo e com um rigoroso padrão arquitectónico.
Os edifícios têm quatro  pisos, espaços verdes, lojas e outros equipamentos sociais. Iniciadas em Junho do ano findo, as obras da nova centralidade da capital do Moxico, representam o maior investimento de sempre no sector habitacional da província.
Os apartamentos da nova centralidade surgem como uma resposta ao problema da gritante falta de habitação que se vive no Luena. Centenas de famílias vão ter direito a habitações de grande qualidade, ao nível do melhor que existe no país.
O director provincial da empresa Kora explicou que a dimensão dos apartamentos da nova centralidade é de 100 metros quadrados, com três quartos, suite, duas salas, cozinha, casa de banho e lavandaria.
O projecto nasce de um consórcio entre a Sonangol Imobiliária e Propriedades,  com 52 por cento das acções e o Grupo LR, com 48 por cento, e envolve mais de 200 trabalhadores.
Um dos principais problemas das construções no Luena tem a ver com a drenagem de águas pluviais, uma questão que está a ser tomada em especial linha de conta no projecto da nova centralidade. A centralidade da cidade do Luena vai ter um reservatório de água e uma eficiente rede de esgotos.
Em relação ao fornecimento de energia eléctrica, a Empresa Nacional de  Electricidade (ENE) já está a criar as estruturas para abastecer toda a periferia da cidade do Luena, onde está incluída a nova centralidade. Dentro de três meses, vai ser assinado mais outro contrato, para o arranque da segunda fase de construção de outros apartamentos e a construção de 48 lojas comerciais, além de escolas, postos médicos, áreas de lazer e igrejas.
A construção da nova centralidade vai resolver um dos principais problemas que a província vive, que é a falta de  habitação para os jovens que lutam para resolver o problema. Leonardo Chipi, 34 anos, funcionário público e estudante da Escola Superior Politécnica do Luena, considera que a criação da nova centralidade vem reacender a esperança da casa própria, uma vez que “estamos a falar de três mil apartamentos”.
Outra satisfação está no facto da mão-de-obra ali existente ser constituída maioritariamente por jovens locais que, além de terem um emprego, aprendem a manusear ferramentas e máquinas.

Tempo

Multimédia