Províncias

Os membros da sociedade devem saber ser solidários

O Presidente da Mesa de Assembleia-Geral em exercício do Movimento de Apoio Solidário de Angola (Movangola) pediu no sábado, no Luena, às forças vivas da sociedade para cultivarem o espírito de solidariedade para com os mais vulneráveis.

Sociedade chamada a cultivar o espírito de união
Fotografia: Mota Ambrósio

Ao discursar no acto de lançamento do projecto “Coração Solidário”, de iniciativa da organização não-governamental Movangola, Alberto Antunes disse que apoiar os mais necessitados não é apenas uma tarefa do Estado, uma vez que a sociedade também deve redobrar os esforços no sentido de ajudar os desfavorecidos.
"A sociedade civil deve pautar-se por uma conduta cívica digna, de modo a criar um bom ambiente na comunidade e evitar a prática de actos que lesam a moral e a integridade física, sobretudo das pessoas carenciadas", sustentou. 
A iniciativa “Coração Solidário” destina-se a promover não só a solidariedade e o amor, mas sobretudo o resgate dos valores morais e cívicos, perdidos durante o conflito armado que assolou o país, durante décadas.
Depois de considerar a solidariedade um acto de reconhecimento do sofrimento do próximo, exortou as pessoas de boa-fé a optarem por este caminho, para ajudarem a reduzir a fome e a pobreza nas comunidades. Portanto, disse, é com esta intenção que existe o “Coração Solidário”, para estender o abraço, carinho, amor ao próximo, amizade e uma ligação íntima e saudável entre as pessoas de bem na sociedade, cujo gesto é bom para quem o prática e para quem o recebe.
Com o objectivo de apoiar os programas do Executivo que visam melhorar o nível de vida da população, principalmente dos mais necessitados, o projecto lançado no Luena vai, nesta primeira fase, abranger as províncias do Moxico, Bié e Cabinda.
A sua acção vai centrar-se em instituições como hospitais, escolas, cadeias, lares de terceira idade e centros de acolhimento de crianças abandonadas.

Tempo

Multimédia