Províncias

Várias famílias são desalojadas pelas chuvas

José Rufino |Luena

As chuvas intensas que se abateram nos últimos dois dias sobre a cidade do Luena, provocaram a destruição de 295 casas, deixando ao relento mais de 3.700 famílias, segundo um balanço fornecido ontem ao Jornal de Angola pelo chefe da área social da administração municipal do Moxico, José Fungula.Para acudir os sinistrados, a administração municipal está a distribuir chapas de zinco e tendas a todas as famílias afectadas dos bairros Alto-Luena, Capango e Sahuambo, arredores do Luena.

As chuvas intensas que se abateram nos últimos dois dias sobre a cidade do Luena, provocaram a destruição de 295 casas, deixando ao relento mais de 3.700 famílias, segundo um balanço fornecido ontem ao Jornal de Angola pelo chefe da área social da administração municipal do Moxico, José Fungula.Para acudir os sinistrados, a administração municipal está a distribuir chapas de zinco e tendas a todas as famílias afectadas dos bairros Alto-Luena, Capango e Sahuambo, arredores do Luena.
José Fungula acrescentou que “a administração municipal do Moxico está preparada para atender eventuais situações que possam acontecer durante a época chuvosa”. Uma nota distribuída à imprensa, no Luena, pela comissão provincial de Protecção Civil refere que as chuvas destruíram 28 casas e duas Igrejas no município de Camanongue e provocaram a morte de uma pessoa, ficando três gravemente afectadas, por serem atingidas por raios.  
Jeremias Segunda Saitala, um dos afectados do bairro “4 de Fevereiro”, disse que as chuvas deixaram a ele e família sem abrigo. “Não tenho outra forma para viver com a família e peço apoio ao governo e à sociedade em geral.”
   O regedor Canhinguiquine, do bairro Alto Campo, mostrou-se preocupado com a situação e disse que grande parte dos cidadãos afectados na época chuvosa passada continua ainda sem qualquer apoio, o que pode agravar a situação.

Tempo

Multimédia