Províncias

Muitas mortes por paludismo

Elautério Silipuleni | Ondjiva

Pelo menos 192 pessoas, num total de 23.278 casos notificados, morreram de malária, de Janeiro a Setembro deste ano, na província do Cunene, segundo dados divulgados sexta-feira pelas autoridades sanitárias locais.

O chefe de departamento de Saúde Pública da direcção provincial da Saúde, Belarmino Satyohamba, considerou que a malária continua ainda a ser a principal causa de internamentos mortes nas unidades hospitalares do Cunene.
Belarmino Satyohamba, que falava num encontro de balanço das actividades desenvolvidas pelo fórum de parceiros da malária, reconheceu que o registo de casos no Cunene é ainda elevado e daí a necessidade de um trabalho conjunto, para reduzir os casos de mortes.
Para o alcance das metas preconizadas, defendeu ser necessário que todos os parceiros da direcção provincial de Saúde participem activamente no combate à malária.
Acrescentou que as autoridades sanitárias da província têm desenvolvido várias acções de sensibilização da população sobre uso de mosquiteiros e saneamento básico nas comunidades para evitar a propagação da doença.
Belarmino Satyohamba avançou que as populações devem ajudar o Governo Provincial nas acções de combate à malária, obedecendo as regras de prevenção da doença. “É preciso acabar com os charcos, usar o mosquiteiro e enterrar o lixo dos quintais”, alertou.

Tempo

Multimédia