Províncias

Município do Cuango livre de casos de febre-amarela

Isidoro Samutula | Cuango

O município do Cuango, na Lunda Norte, está, desde sábado último, livre do surto da febre-amarela, que assolou a região desde Abril deste ano, anunciou ontem, naquela circunscrição, o director da Saúde.

Apesar do sucesso alcançado na luta contra a febre-amarela as autoridades sanitárias do Cuango garantem que vão continuar a envidar esforços para prevenir o surgimento de novos casos
Fotografia: Isidoro Samutula | Cuango

Omar Katumba, que apresentou o quadro epidemiológico do município, aquando da visita do governador provincial, Ernesto Muangala, para ver de perto o andamento das obras do novo hospital municipal do Cuango, esclareceu que, para combater a febre-amarela, foi feito um trabalho de sensibilização à população sobre o perigo da doença e realização de campanha de vacinação.
O director municipal da Saúde disse que o último caso de febre-amarela foi notificado no dia 17 de Junho e, até ao momento, não houve nenhuma outra ocorrência, o que, segundo o responsável,  dá garantias do fim do surto da doença.
“Já passam mais de 40 dias desde que foi notificado o último caso e, dado o trabalho que está a ser desenvolvido pela secção da Saúde Pública e Controlo de Endemias, podemos concluir que o município está livre do surto”, fundamentou.
Durante o período de prevalência da doença, foram registados 39 casos suspeitos e enviadas 29 amostras para o laboratório de referência em Luanda. Das amostras, apenas 13 foram diagnosticadas como positivas.
Omar Katumba destacou a pronta intervenção do Governo Provincial da Lunda Norte e da Administração Municipal do Cuango na disponibilização, em tempo oportuno, de vacinas e na mobilização de equipas técnicas especializadas, o que permitiu evitar a propagação da doença.
No sector do Cafunfo, que constituiu o principal foco do surto, foram vacinados 123.964 habitantes, sendo 34.360 na sede municipal e 21.650 na comuna do Luremo, totalizando 179.974 habitantes vacinados. Com as acções, foi possível atingir-se uma cobertura de cem por cento dos níveis de vacinação a nível do município do Cuango. Apesar de o município estar livre do surto da febre-amarela, ainda assim, o director da Saúde garantiu continuar-se com os trabalhos de prevenção e sensibilização na circunscrição, de forma a combater os focos de lixos que constituem os principais vectores da doença.
“Vamos continuar a trabalhar com a população no sentido de garantirmos o saneamento básico nas comunidades e acabarmos com o foco de lixo”, disse, mostrando-se também satisfeito com a diminuição substancial dos casos de malária, que, no passado, constituíram a principal causa de mortes nas unidades sanitárias do município do Cuango.

Casos de malária

O director da Saúde, Omar Katumba, disse que, actualmente, são registados dois a três casos por dia de malária, devido à intensa campanha de sensibilização que tem sido levada a cabo nas comunidades. Para se conter a doença, acrescentou, tem circulado pelos bairros, sobretudo nos finais de semana, uma viatura de pulverização, para de uma vez por todas combater a propagação da epidemia.

Doenças respiratórias

A grande preocupação de momento está relacionada com o aumento das doenças respiratórias agudas, que surgem em função da época de Cacimbo, mas as autoridades sanitárias trabalham para inverter o quadro. Diariamente, são assistidos dez casos. 
O director municipal da Saúde assegura estarem a ser tomadas medidas de prevenção, consubstanciadas no aconselhamento das pessoas, evitando que se exponham aos ventos fortes na  época de Cacimbo.
Defendeu, por outro lado, a necessidade de precaver-se algumas medidas em relação à propagação das doenças diarreicas agudas, com a chegada da época chuvosa. Actualmente, sublinhou, os registos apontam para a ocorrência de quatro casos por dia.
Uma outra preocupação manifestada pelo director da Saúde tem a ver com os acidentes de viação, que, diariamente, acorrem no município, resultantes da condução em estado de embriaguez e da não habilitação de muitos motociclistas.
“Só nos finais de semana, se registam 10 casos de acidentes, na sua maioria jovens, com ferimentos graves, o que não é bom para o futuro do país”, lamentou, aconselhando às autoridades policiais a tomada de medidas de prevenção.
Os serviços de saúde no município do Cuango são assegurados por nove médicos, dos quais três angolanos e seis sul-coreanos, auxiliados por 125 enfermeiros,  sendo 50 em regime de contrato. O município dispõe de nove unidades sanitárias, com realce para o hospital do Cafunfo e os centros médicos do Cuango e do Luremo.
O hospital do Cafunfo é, actualmente, a maior unidade sanitária do município, com capacidade para 120 camas e conta com serviços de medicina, cirurgia, ortopedia, ginecologia, pediatria e um balneário onde funciona o Programa Alargado de Vacionação (PAV).
As autoridades da Lunda Norte apostam no alargamento dos serviços de saúde no município, com a construção de um hospital regional, na sede municipal do Cuango, que vai contar com serviços médicos privilegiados. As obras do referido hospital devem, em princípio, estar concluídas ainda.
O Cuango é o segundo município mais populoso da província da Lunda Norte, com 173.099 habitantes.

Tempo

Multimédia