Províncias

Centenas de jovens aprendem ofícios

Manuel de Sousa|| Moçâmedes

Mais de 440 jovens de ambos os sexos estão inscritos para o ciclo formativo 2017 no Instituto Nacional de Formação Profissional (Inefop), nos cursos de electricidade, construção civil, canalização, pedreira, corte e costura e gestão de recursos, informou ontem, na cidade de Moçâmedes, a directora provincial da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social.

O curso de electricidade consta entre os mais procurados pelos jovens da região
Fotografia: Arimateia Baptista|Edições Novembro

Teresa de Menino Jesus, que falava no acto de abertura do ciclo formativo 2017, que contou com a presença dos formandos, membros do Governo e convidados, garantiu a continuidade do programa de políticas activas de emprego e de formação profissional, que visam a satisfação das necessidades actuais da juventude, assentes no aumento do nível geral de emprego e da melhoria da empregabilidade.
Outra garantia daquela responsável tem a ver com o reforço da igualdade de oportunidades e da redução significativa da pobreza, através da implementação de acções contínuas de formação técnico-profissional.
Teresa de Menino Jesus disse que o desenvolvimento de acções de formação em salas, nos centros de formação municipais e em pavilhões de arte e ofícios, entre outras acções, permitem a aprendizagem e elevação de saberes fundamentalmente práticos de uma profissão ou ofício, visando a formação dos jovens sem qualificação adequada, para facilitar o seu ingresso no mercado de trabalho. “Nesta fase em que a economia nacional clama pela participação de todos os angolanos, os jovens são mais uma vez chamados a esgrimir as habilidades, aptidões e capacidades, para que no meio de tantas dificuldades que vivemos possam, com os parcos recursos disponíveis, atingir os objectivos pretendidos”, salientou Teresa de Menino Jesus.
Os formandos, numa mensagem lida na abertura da acção formativa, prometeram tudo fazer para terem êxitos no final dos cursos, com a ajuda de todos, em particular da direcção do centro e dos formadores na transmissão de conhecimentos teóricos e práticos, para conseguirem sair como profissionais nas áreas em que cada um se candidatou.
O vice-governador para o sector Económico, Alcides Gomes Cabral, disse que com a implementação recente na província do Namibe de novas unidades no sector das Pescas, Agricultura, Geologia e Minas e muito brevemente no sector dos Petróleos, novas perspectivas de emprego se abrem, pelo que a formação académica nos mais variados níveis se afigura de extrema importância, porque só com uma concertada conjugação de esforços será possível formar quadros capazes e aptos para desempenharem as mais variadas tarefas que o processo de construção e reconstrução nacional necessita.
“Precisamos e precisaremos cada vez mais de bons carpinteiros, serralheiros, marceneiros, estucadores, pedreiros e mecânicos, pois acreditamos que, além de bons técnicos superiores, necessitamos em maior número de bons técnicos médios e básicos, com adequada formação técnica profissional, daí a permanente necessidade da formação dos formadores do Inefop, para poderem transmitir, com mestria e sapiência, os conhecimentos adquiridos”, afirmou o vice-governador para o sector Económico.
A província do Namibe conta com uma capacidade formativa de 887 formandos por ano, no centro de formação no município sede e nos pavilhões de artes e ofícios nos restantes municípios.

Tempo

Multimédia