Províncias

Centrais Termoeléctricas iniciam produção este ano

João Upale| Namibe

O director provincial do Namibe da Empresa Nacional de Electricidade (ENE), Vidal Gonçalves, disse que duas novas centrais de fornecimento de energia eléctrica estão em construção, desde o princípio do mês passado, na cidade do Namibe, com vista a atender diversos interesses, sobretudo 11 mil ligações domiciliárias.

Duas novas centrais de fornecimento de energia eléctrica
Fotografia: JA

O director provincial do Namibe da Empresa Nacional de Electricidade (ENE), Vidal Gonçalves, disse que duas novas centrais de fornecimento de energia eléctrica estão em construção, desde o princípio do mês passado, na cidade do Namibe, com vista a atender diversos interesses, sobretudo 11 mil ligações domiciliárias.
Vidal Gonçalves afirmou que estes dois projectos vão acudir às solicitações dos novos consumidores e não só, principalmente na periferia da cidade.
Com a conclusão prevista para o final do presente ano, as duas centrais têm capacidade para dez megawatts. O director provincial da ENE revelou que a primeira central está a ser erguida nas imediações do aeroporto, enquanto a outra está em construção no pátio da central térmica do Xitoto.
O engenheiro Vidal Gonçalves salientou que continua em curso o projecto de reabilitação e expansão da rede eléctrica do Namibe e do Tômbwa.  O projecto, disse a fonte, visa a criação de infra-estruturas de distribuição e transformação de energia, principalmente na periferia, nos bairros 5 de Abril, Valódia, Forte Santa Rita e Saco-Mar.
Vidal Gonçalves enfatizou que o projecto está 90 por cento virado para a componente de expansão da rede, o que permite que novos cidadãos possam ter acesso à energia eléctrica de qualidade. O responsável da ENE referiu que, no quadro deste projecto, prevê-se a reabilitação e instalação de 18 postes de transformação, a construção no Namibe de cerca de 34 quilómetros de linhas aéreas de média tensão, que vão abastecer as zonas agrícolas dos vales dos rios Giraúl de Baixo e do Bero. As autoridades prevêem também construir uma linha exclusiva para o bairro 5 de Abril, com maior concentração populacional.
O engenheiro Vidal Gonçalves anunciou ser pela primeira vez, depois de muitos anos, que se vai levar a energia eléctrica à localidade do Pinda Paiva, no Tômbwa. O director provincial assegurou que, dentro desta linha, para o Tômbwa, está contemplada a captação de água do Curoca, que apresentava alguns problemas de transportação. O director da ENE no Namibe realçou que, ainda no âmbito deste projecto de reabilitação e expansão da energia eléctrica na província, prevê-se a instalação da rede de baixa tensão em todos os bairros periféricos.
A mesma inclui a iluminação pública. A fonte do Jornal de Angola disse que os bairros do Namibe vão ficar mais iluminados, com cerca de três mil candeeiros, o que permite uma maior qualidade de vida da população.
Vidal Gonçalves revelou que o seu sector controla 17.500 consumidores de energia eléctrica. Quanto à rede subterrânea de baixa tensão, no sector urbano, decorrem acções de substituição de alguns cabos de distribuição de energia.
Para o director da ENE, quando as residências dos consumidores não têm contadores, a cobrança é feita por estimativa. “Ao contrário do que se pensa, às vezes quem fica prejudicado é a própria empresa, porque, por força de lei, é obrigada a taxar apenas 200 quilowatts/hora de energia por mês”, disse, considerando que a maior parte dos clientes consome mais.
Vidal Gonçalves informou que foram instalados mais cinco mil contadores e perspectiva-se que, até ao fim do ano, 75 por cento dos clientes tenha sistemas de contagem ao domicílio.
A nível do Tômbwa, pretende-se chegar aos 100 por cento até final deste ano, todos os clientes de baixa tensão vão ter contadores nas suas residências.
No entender do engenheiro Vidal Gonçalves, isso permite uma relação comercial de proximidade mais afectiva com os clientes, evitando assim algumas reclamações que têm surgido neste capítulo.

Tempo

Multimédia