Províncias

Cidade melhora com investimentos públicos

João Upale| Namibe

Os investimentos do Fundo de Gestão Municipal, da responsabilidade do Executivo, permitiram à Administração Municipal do Namibe realizar importantes obras de carácter social que melhoraram a imagem da cidade.

Os investimentos do Fundo de Gestão Municipal, da responsabilidade do Executivo, permitiram à Administração Municipal do Namibe realizar importantes obras de carácter social que melhoraram a imagem da cidade.
Os fundos do Executivo permitiram construir na cidade do Namibe escolas, centros de saúde, reparação de lancis e passeios, jardins e a aquisição de viaturas para apoio aos serviços comunitários.
A informação foi divulgada aos órgãos de comunicação social pelo administrador do Namibe, Armando Valente, quando falava sobre os 161 anos da fundação da cidade, e fazia um balanço das acções realizadas e das obras em curso.
Armando Valente descreveu como “promissor o actual quadro da situação socioeconómica do município” e afirmou que são visíveis “as melhorias substanciais na qualidade de vida dos munícipes”.
O administrador municipal do Namibe lembrou que os investimentos do Fundo de Gestão Municipal abrangeram os municípios do Namibe e do Tômbwa. Em 2009, com a sua extensão a todos os municípios da província, o Namibe recebeu 80 milhões de kwanzas dos 375 milhões previstos, executando cerca de 24 por cento dos projectos em carteira. Algumas obras ficaram por concluir por falta de verbas.
Armando Valente revelou que os fundos disponibilizados pelo Executivo permitiram o arranque das obras de construção da sede da administração comunal da Lucira, a casa do soba e a aquisição de um grupo gerador de 550 KVA instalado na comuna, que há dois anos estava às escuras. Várias outras obras não foram concluídas por falta de pagamento aos empreiteiros e fornecedores. Armando Valente garante que com a primeira tranche recebida este ano começou a pagar as dívidas e espera que as tranches seguintes cheguem para relançar outros projectos.
Armando Valente assegura que o Fundo de Gestão Municipal está a ser bem gerido e trouxe ganhos consideráveis às comunidades, porque foi um complemento muito significativo para as obras públicas que o Governo Provincial vinha realizando na cidade do Namibe
 
Ruas esburacadas

As ruas, os lancis e os passeios da cidade precisam de uma intervenção urgente. Alguns buracos decorrem de serviços feitos pelos serviços de telecomunicações e de energia, no âmbito da intervenção na rede de baixa e média tensão. Outros resultam da falta de manutenção. Existe um programa do Executivo dirigido à reposição dos passeios e lancis, colocação do novo tapete asfáltico nas estradas Namibe/Tômbwa e Namibe/Lucira.
Armando Valente garantiu que os fundos vão permitir reparar as ruas das cidades do Namibe e do Tômbwa.
Armando Valente diz que esta “ajuda importante” do Executivo vai permitir à Administração Municipal do Namibe reparar outras artérias urbanas, sobretudo as transversais, que não foram incluídas no programa, havendo já um plano elaborado para reposição de lancis e passeios.
 A administração trabalha com empresas do Namibe para fazer um levantamento que permita ter a noção real de quanto dinheiro vai ser necessário para dar solução aos problemas que ainda existem na cidade capital da província
“O Namibe  é uma cidade com muitas ruas, avenidas, travessas, enfim, precisa mesmo de uma intervenção de fundo, porque os orçamentos municipais não cobrem nem um por cento das necessidades”, realçou Armando Valente.
No entender do administrador municipal, os programas integrados levados a cabo pelo Executivo nas províncias de Malange, Zaire e Cabinda também vão chegar ao Namibe, “porque a nossa cidade clama por uma intervenção urgente”.
Existe um projecto da Angola Telecom que vai obrigar à remoção de passeios e lancis para se relançar a seguinte de melhoria da rede de telecomunicações. Também existe outro projecto no domínio das águas que vai exigir a abertura de valas nas ruas da cidade do Namibe.
A Administração Municipal pretende coordenar todos os programas e outros que eventualmente possam surgir. Armando Valente vai fazer tudo para que se conjuguem esforços no sentido de todos os projectos a realizar na via pública serem feitos ao mesmo tempo, evitando a dispersão de recursos na reposição de passeios e lancis e sobretudo para evitar incómodos aos habitantes do Namibe.
“Embora sejam projectos que trazem desenvolvimento e bem-estar é preciso harmonizá-los para não criar constrangimentos e dificuldades aos munícipes”, disse o administrador municipal.
 
 Lixo na cidade

Armando Valente disse que o Namibe é uma das poucas cidades do país onde o problema do saneamento básico é ainda garantido pela administração municipal, que faz o trabalho de recolha de resíduos sólidos.
“Na maioria das províncias esses serviços há muito foram especializados e existe orçamento próprio para o trabalho de saneamento básico, o que não acontece com o Namibe, que, ainda assim, continua a ser uma das províncias mais limpas de Angola”, realçou.
A Administração Municipal do Namibe tem menos de 30 trabalhadores para limpar a cidade e mesmo com a exiguidade de meios materiais, foi possível adquirir alguns equipamentos que depois tornaram o processo de limpeza mais célere. “Mas esses meios ainda são insuficientes para fazer a cobertura da cidade e arredores do Namibe”, disse Armando Valente.
O administrador municipal diz que o saneamento não se resume à recolha de resíduos sólidos muitas vezes depositados a céu aberto, duma forma não selectiva: “é preciso criar condições para o lixo ser depositado em locais seguros, segundo as regras de conservação ambiental”.

Cidade mais limpa

“Entre o limpar com os meios que nós temos e deixar a cidade suja, temos estado a fazer o possível e até o impossível para termos a cidade possível. Gostávamos de continuar a ostentar o título da cidade mais limpa do país”, disse Armando Valente. Acrescentou que “fenómenos de natureza material e humana têm estado a condicionar o título e podem reduzir o brilho da cidade que vamos mantendo com muito sacrifício”.
Armando Valente frisou que o Governo Provincial está a fazer uma consulta no mercado com vista a lançar um concurso público visando a adjudicação dos serviços de limpeza a empresas especializadas. Mas tudo vai depender também da fatia que, no âmbito da revisão do Orçamento Geral do Estado, for atribuída ao Governo Provincial para fazer face a esta despesa: “pensamos que só assim podemos resolver esse problema”, rematou.

Sinalização na via pública

A questão da sinalização da via pública é competência do Executivo, “que tem um programa de reconstrução, construção e organização do país, de que o Namibe é parte integrante, havendo a hierarquização das prioridades, como a construção de escolas, postos de saúde e outras intervenções que pela sua urgência e impacto não podem ser adiadas”, disse Armando Valente.
“A sinalização da cidade exige um avultado investimento financeiro e por isso tem de ser relegado para segundo ou terceiro plano. Mas existe uma Comissão Provincial de Ordenamento do Trânsito, da qual a Administração Municipal faz parte, que tem feito um levantamento completo da situação, esperando que haja disponibilidade de verbas para importar os equipamentos necessários e com os devidos especialistas fazer a sua montagem, mas isso só depois dos trabalhos de reposição do tapete asfáltico, passeios e lancis”, anunciou o administrador municipal.

Postal da cidade

As obras de reestruturação da Avenida Eduardo Mondlane, ex-libris da cidade, com cerca de um quilómetro, estão em velocidade de cruzeiro e a sua requalificação está na fase conclusiva.
O administrador garante que os munícipes, no fim dos trabalhos, vão ter oportunidade de apreciar “um gigantesco e majestoso lugar de lazer. Vamos esperar que antes do final deste ano a obra seja entregue, para a felicidade e todos nós. Julgo que para uma Avenida daquela dimensão, o trabalho não pode ser feito de qualquer forma”.
Acrescentou que das visitas feitas ao local concluiu que o trabalho é de boa qualidade e volta a repor a imponência que sempre teve o cartão de visita da cidade. 

Tempo

Multimédia