Províncias

Crianças da cidade de Moçâmedes estudam em melhores condições

João Upale| Namibe

Um grupo de 280 crianças passaram a estudar em melhores condições, desde ontem, a­pós a inauguração de uma escola com quatro salas de aula, no bairro 4 de Março, arredores da cidade de Moçâmedes, província do Namibe.

Centenas de alunos do ensino primário do bairro 4 de Março estão satisfeitos com a entrada em funcionamento de novas salas de aula
Fotografia: João Gomes

A instituição escolar, pertencente ao Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM), foi erguida no quadro do “cumprimento da estratégia de melhoria da situação social dos funcionários e suas famílias”.
António Sapalo, sete anos, era um aluno visivelmente satisfeito no acto inaugural. Em nome das outras as crianças, disse sentir-se feliz por “nos ser entregue a nossa escola, que irá diminuir a distância percorrida para outros bairros”.
O ministro dos Transportes, Augusto Tomás, que procedeu à inauguração da escola, frisou que a iniciativa significa “repartir os benefícios, ganhos com os seus trabalhadores, suas famílias e as comunidades onde estão inseridas”.
Augusto Tomás sustentou que o Ministério que tutela tem vindo, um pouco por todo o país, a repartir com os trabalhadores ganhos no âmbito da responsabilidade social, com investimentos na habitação, educação e saúde.
O ministro dos Transportes inaugurou igualmente um posto de saúde e entregou as chaves de duas residências protocolares, bem como um dormitório para funcionários do CFM.
O gestor do sector dos Transportes garantiu que outras acções vão ser levadas a cabo, com vista a dar uma maior dignidade aos funcionários e suas famílias.

Escola de saúde

A Escola de Formação de Técnicos de Saúde de Ondjiva necessita de 30 novos professores especializados nas áreas de enfermagem geral, análises clínicas, farmácia, fisioterapia e estomatologia, disse naquela cidade a directora da referida instituição, Ana Dionísio. A directora referiu que a escola, com 17 salas de aula, funciona actualmente com 27 professores e 50 funcionários, número insuficiente para as necessidades. No presente ano lectivo, estão matriculados 1.287 alunos.
Por outro lado, o vice-presidente do Fórum Provincial de Parceiros na Luta contra a Malária, Celestino Miguel, prometeu maior apoio à população com medidas preventivas e de combate à doença.
Em declarações à Angop, o responsável disse que esforços serão empreendidos, em colaboração com outros parceiros na luta contra a malária, para esclarecer as populações a respeito dos sintomas, transmissão e os métodos de prevenção do paludismo. “Trabalhamos com várias instituições da província e queremos ainda mais dinamizar as acções de mobilização, para que todos estejam informados e prestem a sua colaboração em campanhas de recolha de lixo, evitar águas paradas e distribuir panfletos nas comunidades”, referiu.
Celestino Miguel enalteceu o “importante trabalho” que os parceiros têm estado a desenvolver com o objectivo de contribuírem para a redução dos casos que se têm verificado nos últimos tempos, principalmente em mulheres e crianças.

Tempo

Multimédia