Províncias

Deficientes solicitam rampas e elevadores

João Upale | Moçâmedes

Portadores de deficiência física na cidade de Moçâmedes, no Namibe, solicitaram ao Governo Provincial a instalação de rampas na via pública, bem como de elevadores em instituições, para facilitar a sua locomoção.

Fotografia: Contreias Pipa| Edições Novembro

O pedido foi feito no acto de entrega de cadeiras de rodas, orientando pelo governador Carlos da Rocha Cruz.
Maria Goreth, professora do segundo ciclo, momentos depois de receber das mãos do governador a sua nova cadeira de rodas, disse que tem tido muitas dificuldades em deslocar-se a certos sítios, devido à falta de elevadores e de rampas na via pública.
“O meu triciclo estragou e esta cadeira de rodas vai-me dar uma grande ajuda”, disse Maria Goreth, acrescentando que na via pública há muitos passeios que estão a ser reabilitados, mas “não possuem rampas”, para permitir a entrada em lojas, repartições públicas, bem como em lugares de lazer.
A professora lançou um repto às autoridades competentes no sentido de fiscalizarem cada vez mais as empreitadas feitas e outras em curso na urbe, “fazendo cumprir o que está escrito”, para que as novas construções tenham rampas de acesso para os portadores de deficiência motora.
Guido Jorge, responsável de um grupo de dança tradicional mukubal e um dos cidadãos beneficiários das cadeiras de rodas, confessou estar “muito feliz”, porque “esperava há muito tempo por um meio desses.”
Para o promotor cultural, “agora as baterias estão direccionadas à conquista de um emprego, visando minorar os obstáculos do dia-a-dia.”
Falando sobre as acessibilidades, Guido Jorge retorquiu: “as pessoas que fazem os projectos urbanísticos devem pensar em nós, porque a falta de rampas e elevadores crianos muitas dificuldades.”
O governador Carlos da Rocha Cruz entregou cadeiras de rodas e muletas canadianas a dez pessoas portadoras de deficiência motora, das quais cinco crianças.
Segundo o governador, o gesto enquadra-se no cumprimento das promessas feitas, no âmbito das jornadas de campo efectuadas à periferia de Moçâmedes. “Conseguimos arranjar essas cadeiras, para minimizar as dificuldades na locomoção dos deficientes”, referiu.

Tempo

Multimédia