Províncias

Ensino superior chega ao município da Bibala

João Upale | Bibala

O governador do Namibe, Rui Falcão, anunciou para breve a implantação de um núcleo do ensino superior no município agro-pecuário da Bibala, com vista a atenuar a carência vivida pelos jovens locais quanto à formação neste nível.

Pormenor da capital da província do Namibe onde se encontra a Welwitchia Mirabilis uma planta existente apenas em Angola e na Namíbia
Fotografia: Jornal de Angola

Rui Falcão falava para a população, na sede municipal da Bibala, à margem da primeira visita feita àquela localidade, para se inteirar da real situação que a população enfrenta.O governador manifestou-se preocupado com a situação, uma vez que as autoridades são pressionadas para criar infra-estruturas para albergar este nível de ensino.
Rui Falcão apelou para que todos tenham consciência de que aquilo que o governo está a fazer custa muito dinheiro e, por isso, deve haver a preocupação de se conservar as obras realizadas.
Os jovens não devem ficar de braços cruzados, reclamando apenas, sendo preciso que se disponibilizem a ajudar também, disse.
“É bom que cada um possa dar um bocado de si, para que quando partirmos deixarmos Angola um bocado melhor do que a encontrámos”, salientou o governador provincial do Namibe.
A notícia do ensino superior foi recebida com agrado pelos jovens estudantes, que afirmaram que a implantação deste núcleo vai servir de incentivo para que muitos residentes retomem a escola.
A par da instituição universitária, o governador garantiu que, ainda este ano, todas as casas da vila da Bibala vão beneficiar de água corrente e melhor fornecimento de energia eléctrica.Em termos de assistência sanitária, o governador constatou que a situação do sector registou grandes melhorias, o que está a contribuir para a redução de muitas doenças.
Rui Falcão assegurou que na vila da Bibala o governo vai continuar a fornecer água para irrigar os campos e combater a fome, tendo considerado a seca como um problema cíclico.
O administrador municipal, Pedro Mussungo, realçou que a visita para medir o nível de organização e desenvolvimento da localidade vai servir de estímulo para um maior engajamento da administração no cumprimento das tarefas superiormente definidas pelo Executivo. Pedro Mussungo augura que das constatações a serem feitas vão resultar orientações precisas para a melhoria da acção administrativa e do desenvolvimento da localidade, especialmente do município sede.

Educação também preocupa

O administrador salientou que o sector da Educação, pela sua natureza e importância para o desenvolvimento humano, tem constituído uma das grandes preocupações das autoridades.O município dispõe de 22 escolas de construção definitiva e 128 salas precárias para o ensino primário, primeiro ciclo do ensino secundário, segundo ciclo, além de dois estabelecimentos de ensino técnico-profissional.
 Apesar destes esforços, o responsável municipal reconheceu que a rede escolar “não está igual e nem proporcionalmente distribuída pelo território da Bibala”, sendo que as condições de infra-estruturas e de trabalho diferem de localidade para localidade.
Quanto ao sector da Saúde, as autoridades administrativas e governamentais continuam a empreender esforços para melhorar os serviços de atendimento e aumentar o número de médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e infra-estruturas.Com a instalação de mais serviços, os habitantes deixam de percorrer grandes distâncias para terem acesso aos serviços sanitários, frisou Pedro Mussungo.
A Bibala tem um hospital municipal, 25 postos de saúde e quatro de socorros privados.

Bens alimentares

Em relação ao sector da Assistência e Reinserção Social, o administrador disse que, devido ao fenómeno da seca, a campanha agrícola 2012/13 foi grandemente prejudicada.Com isso, a municipalidade regista actualmente um universo de 52.774 pessoas vulneráveis, que recebem bens alimentares do Governo Provincial, com vista a minimizar as carências.
No que diz respeito ao sector das Águas, o município é abastecido por um sistema de gravidade e captações subterrâneas com chafarizes.O crescimento demográfico e as irregularidades das chuvas, aliados ao estado obsoleto de alguns sistemas de água canalizada e insuficiência de furos, têm resultado em dificuldades no abastecimento de água às populações.
O administrador disse que a solução passa pela construção de dois tanques reservatórios de água, com capacidade de três mil metros cúbicos, nas nascentes da Mahita e Bomba.Pedro Mussungo disse que a sede municipal da Bibala é beneficiada com a energia de rede eléctrica geral proveniente da barragem hidroeléctrica da Matala, por meio da subestação da Humpata, na província da Huíla.

Tempo

Multimédia