Províncias

Gigante acampado no oásis do Kalahari

A Academia de Pescas e Ciências do Mar do Namibe é uma imponente instituição do ensino superior ligada ao sector das Pescas que está vocacionada à formação de especialistas e técnicos superiores angolanos deste ramo.

Academia de pescas do namibe

A Academia de Pescas e Ciências do Mar do Namibe é uma imponente instituição do ensino superior ligada ao sector das Pescas que está vocacionada à formação de especialistas e técnicos superiores angolanos deste ramo.
A ser construída na cidade que dá nome à província, a instituição, que por sinal deverá ser a maior de todo continente africano, terá também como objectivo formar, a médio e longo prazo, os cidadãos das Comunidades para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) e Económica da África Central (CEAC).
A sua implantação na terra dos mucubais é resultado de uma visita que o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, efectuou à Polónia, em 2003. Na ocasião, surgiu a vontade de estabelecer uma cooperação académica entre aquele país e Angola, no âmbito da educação profissional marítima. De referir que muitos professores polacos fizeram parte do corpo docente do Instituto Médio Marítimo Hélder Neto, localizado no Namibe, na década de 1980.
Neste momento está em curso a segunda fase das obras que irão resultar na conclusão do projecto. A 28 de Maio último, foi assinado um contrato entre o Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e a empreiteira polaca Navimor International, responsável pelos trabalhos, que estiveram paralisados durante muito tempo.
As acções realizadas na primeira fase do projecto levaram à construção de seis edifícios que irão albergar, nomeadamente, a parte administrativa, simuladores, faculdade de pescas, faculdade de processamento de pescado, faculdade de exploração dos recursos aquáticos e faculdade de ciências básicas. A segunda fase inclui a construção de uma conduta de água potável para abastecer a academia, bem como de um ramal de energia eléctrica para a sua electrificação. Será também construído um internato com capacidade para 120 camas para os alunos e um bairro residencial para o corpo docente com 12 casas do tipo T3 e T2.
O projecto prevê ainda a construção de uma nave mecânica naval e de um centro de formação profissional marinha em terra, equipado com rampa de lançamento, barcos de treinamento, queda livre e salva-vidas, entre outros meios. A academia terá igualmente um centro de combate a incêndios, uma piscina olímpica, dois parques de estacionamento e zona verde, onde deverão ser plantadas mil árvores.
O acordo com o governo polaco inclui também o fornecimento de equipamentos para os laboratórios e o edifício de simuladores, bem como instalação de rede informática e de telecomunicações. Vai ser igualmente feita a assistência administrativa, técnica e pedagógica e a formação profissional do corpo docente. Para este efeito, está prevista a formação de cinco doutores e 10 mestres. Depois da sua conclusão, aprazada para o próximo ano, a instituição abre ao público que queira se formar no ramo das pescas e ciências do mar. De acordo com o ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, Afonso Pedro Canga, a Academia irá reunir todas as condições para formar bons profissionais que respondam aos desafios propostos.
O programa ministerial prevê a formação em Angola, na Polónia e em outros países, de professores e restante pessoal para garantir a funcionalidade da instituição. Além disso, o ministro anunciou a formação na Academia de quadros de outras instituições, nas áreas da Educação e Transportes, entre outras.
“Esta academia vai mostrar à África e ao mundo que estamos a construir um novo país com um homem novo e integralmente formado”, disse Afonso Pedro Canga.
Existem garantias de que o Ministério vai continuar a trabalhar para resolver outros problemas no domínio da formação, tal como a reabilitação do Instituto Médio Hélder Neto, no Namibe, cujo edifício encontra-se degradado e sem condições para receber alunos.
O Programa de Investimentos Públicos do Executivo provincial prevê que o mesmo seja reabilitado em 2013.

Tempo

Multimédia