Províncias

Habitantes do Bentiaba com mais água potável

João Upale | Bentiaba

A população dos bairros Cristo Rei e do Aviário, na comuna de Bentiaba, 150 quilómetros do município de Moçâmedes, província do Namibe, conta com mais água potável.

Em várias artérias do Bentiaba já jorra água potável depois de a localidade ter ficado mais de 30 anos sem este líquido
Fotografia: Eduardo Pedro | edições novembro

Em cada bairro foi instalado um novo sistema de captação e abastecimento, com dois chafarizes, uma lavandaria, um reservatório elevado com capacidade para armazenar 28 metros cúbicos, suportados por painéis solares.
As obras estiveram a cargo da empresa Transportes A&B e duraram 24 dias. O director técnico da empreiteira, Ângelo Miguel, disse ao Jornal de Angola que os novos sistemas de captação e abastecimento de água vão servir também para a rega de vários campos agrícolas.
 “Estamos regozijados com os novos equipamentos, pelo que vamos apelar à população  para  preservar os bens públicos”, disse o soba Fernando Macuva.
O representante da comunidade, Vasco da Costa, lembrou que a água deixou de jorrar nas torneiras da região, desde 1983.
Luzia Maria, residente no bairro Aviário, desde 2002, disse sentir-se aliviada, pois deixa de percorrer grandes distâncias em busca de água. “Vamos controlar as nossas crianças, para não brincarem nas lavandarias, nem tão-pouco nos chafarizes”.
A munícipe, que falava em nome das mulheres da localidade, pede a abertura de postos médicos, escolas e uma fonte alternativa (grupo gerador) para o fornecimento de energia eléctrica.
O governador Carlos da Rocha Cruz defendeu, em jeito de resposta às inquietações levantadas pela população, a necessidade da construção de mais três escolas, para inserir as crianças que se encontram fora do sistema de ensino, bem como outras estruturas básicas, que visam melhorar a qualidade de vida da população.
Carlos da Rocha Cruz pediu à população mais organização, disciplina e vigilância para evitar as acções dos que tentam destruir o património público.
Produção agrícola
O governador Carlos da Rocha Cruz que realizou um périplo às comunas da Lucira e do Bentiaba, no quadro do cumprimento do seu programa de governação, que visa aproximar cada vez mais a população às acções levadas a cabo pelo Executivo, inteirou-se da produção de hortofrutícolas no pólo agrícola de Maungo, (circunscrição do Bentiaba), tendo constatado altos níveis de produção.
O referido pólo congrega 121 famílias. No presente ano agrícola, mais de seis hectares foram cultivados e perspectiva-se uma colheita superior a dez mil toneladas, principalmente de tomate e cebola, segundo o presidente do pólo de Maungo, Jorge Kapapela.
O pólo agrícola depara-se com algumas dificuldades. A única carrinha de marca Canter e um tractor entregues pelo governo, para o escoamento dos produtos e desbravamento dos solos, encontram-se avariados. Apesar da abertura de dois pontos de água, para a irrigação de forma artesanal, os camponeses pedem às autoridades governamentais mais apoios, no que tange à implementação do sistema solar, para diminuir os custos de produção.
Os camponeses solicitam de igual modo mais pontos de água, bem como o melhoramento das vias de acesso, para facilitar o escoamento de produtos para os principais centros de consumo, designadamente Cunene, Benguela, Luanda, Lubango e Moçâmedes.
Solicitam igualmente uma manga de vacinação do gado e o desassoreamento da barragem, bem como bacias de retenção, para a acumulação de água para os animais.
O governador Carlos da Rocha Cruz prometeu apoios necessários para a abertura de novos furos de água, com equipamentos modernos, com vista a alargar as áreas de produção.
Carlos da Rocha Cruz, que disse ter saído do Maungo bastante satisfeito, em função do que viu, mostrou-se preocupado com a onda de pragas que têm vindo a prejudicar as culturas, tendo orientado o devido combate.
O pólo agrícola de Maungo consta do leque de outros 14 criados pelo Governo da Província, em 2014, no âmbito do Programa de Apoio às Famílias Camponesas, visando o combate à fome e à pobreza.

Tempo

Multimédia