Províncias

Habitantes da província informados sobre malária

João Upale | Namibe

A Direcção provincial da Saúde do Namibe promoveu, na quarta-feira, naquela cidade uma pequena feira com objectivo de sensibilizar a população para o perigo da malária. 

O índices da doença na região têm vindo a diminuir mas os técnicos da Saúde encontram dificuldades para fazer o diagnóstico
Fotografia: Afonso Costa

A Direcção provincial da Saúde do Namibe promoveu, na quarta-feira, naquela cidade uma pequena feira com objectivo de sensibilizar a população para o perigo da malária. 
Na feira, organizada por ocasião do Dia Mundial da Malária, estiveram expostos equipamentos de pulverização e um tabuleiro com água contendo larvas do mosquito vector da doença
A directora da Saúde, Josefa Kangombe, disse ao Jornal de Angola que os reservatórios de água, existentes em diferentes bairros da cidade, são terrenos férteis para a reprodução do mosquito.
 “As pessoas devem evitar que haja acumulação de água nos quintais, por ser onde as larvas se multiplicam”, sublinhou. A pequena  feira, que se destinou a sensibilizar as pessoas para o perigo que representa a malária, principal causa de morte na província, realizou testes voluntários rápidos a cerca de 1.500, pessoas para determinar o seu estado vectorial, e distribuiu 600 mosquiteiros impregnados.
“A nossa prioridade têm sido as mulheres grávidas e as crianças, mas na feira distribuímos mosquiteiros às pessoas que apareceram”, referiu Josefa Kangombe, acrescentando que a sua direcção, em parceira com a administração municipal, tem estado a trabalhar no combate ao mosquito vector da malária em todos os bairros.
Pretende-se acabar com a malária no Namibe, afirmou a directora da saúde, sublinhando que, no primeiro trimestre do ano passado, foram registadas 60 mortes por malária e este ano, no mesmo período, 40.
“O número pode ser considerado um pouco alto, mas comparativamente ao ano anterior estamos a descer”, disse, pedindo a colaboração da população para o combate à malária.
Assegurou, ainda, a existência de mosquiteiros suficientes para distribuir a toda a
população e louvou o trabalho dos técnicos em todos os bairros da cidade do Namibe e noutros municípios do interior da província.
Os índices de malária na província do Namibe têm vindo a baixar significativamente, mas a responsável mostrou-se preocupada com as dificuldades dos técnicos que ainda não estão preparados para fazer um diagnóstico referencial no meio rural.

Tempo

Multimédia