Províncias

Hospital Materno-Infantil carece de material gastável

João Upale| Moçamedes

A falta de materiais gastáveis, medicamentos e de bens de uso obrigatório no atendimento aos doentes está a dificultar o funcionamento do Hospital Materno-Infantil “Liepey”, na cidade deMoçâmedes, revelou o seu director-geral. Pedro Viyayaúca salientou que a falta destes bens hospitalares está a provocar uma enorme “dor de cabeça” à direcção da unidade clínica e aos técnicos, numa altura em que, por falta desses meios, o hospital está a registar muitos óbitos.

O médico pediatra disse ao Jornal de Angola que, neste momento, o hospital trabalha em grande parte com a ajuda de doentes e seus familiares, principalmente na compra de medicamentos e material gastável, visto que os “stocks” existentes servem apenas para acudir casos de doentes com grandes carências.
O director-geral da maternidade avançou que a situação é mais preocupante nas salas de parto e no bloco operatório, onde os materiais gastáveis são mais consumíveis. Faltam também médicos de especialidade para assegurar um funcionamento mais cómodo aos pacientes, embora o médico reconheça um número quase aceitável de técnicos para a pediatria, onde existem quatro especialistas, e na maternidade, que tem cinco.
Pedro Viyayaúca contou que a maternidade ainda não funciona com todas as especialidades, como são os casos da cirurgia pediátrica, oftalmologia, urologia, por falta de recursos humanos. Devido a esta situação, a unidade materno-infantil atende apenas casos de pediatria geral. A mesma limitação no atendimento também se verifica na maternidade, onde a especialidade de oncologia ginecológica nãofunciona.
Apesar das dificuldades, a unidade sanitária regista entre 12 e 15 partos diários e tem um internamento de 25 mulheres, números maiores, comparados com os anos anteriores em que a quantidade era muito baixa.

Doenças mais frequentes

A malária continua a ser a doença com mais casos registados na unidade sanitária, seguida da diarreia aguda, má nutrição e as infecções respiratórias.
Para ajudar o Hospital Materno-Infantil de Moçâmedes, o Standard Bank ofereceu medicamentos, soros, material hospitalar gastável, redes mosquiteiras e manuais sobre higiene e saúde.
A doação insere-se no âmbito da política de responsabilidade social do banco, realçou Nelson Jerónimo, gerente provincial.
O director do Hospital Materno-Infantil “Liepey”, na cidade de Moçâmedes, pede a outras instituições a seguirem o exemplo do Standard Bank, para ajudarem a minimizar as dificuldades da unidade sanitária, que precisa também de dadores voluntários de sangue, tendo em conta o número crescente de casos de transfusão.

Tempo

Multimédia