Províncias

Idosos pedem mais ajuda

Manuel de Sousa | Namibe

O ancião José Lombe, de 84 anos, natural do município de Quipungo, Huíla, chegou ao lar da terceira idade em Abril de 2011, depois das fortes chuvas que se abateram sobre a cidade do Namibe e que destruíram totalmente o bairro Nação, onde vivia com a família.

Idosos querem mais atenção da sociedade
Fotografia: Eduardo Pedro

O ancião José Lombe, de 84 anos, natural do município de Quipungo, Huíla, chegou ao lar da terceira idade em Abril de 2011, depois das fortes chuvas que se abateram sobre a cidade do Namibe e que destruíram totalmente o bairro Nação, onde vivia com a família. Hoje, encontra-se num quase estado de abandono no lar, sem ter, como a maioria, a ajuda de quem tem um pouco mais.
Quase todos os idosos ali acolhidos estão fisicamente incapacitados, devido à sua idade avançada. No entanto, também há aqueles que ainda conseguem fazer alguma coisa. Nesses casos, a direcção da instituição ocupa-os nos cuidados da horta, para o seu próprio benefício, na rega do jardim, limpeza do pátio e dos aposentos.
Com capacidade para 60 camas, o lar da terceira idade do Namibe alberga, nesta altura, 57 idosos, dos quais 27 mulheres. Conta com um pátio vasto para diversão, um centro de passagem para idosos que vivem com os familiares, uma cozinha, sala de lazer, refeitório e uma área administrativa. />Fernando Rodrigues, director da instituição, referiu que as dificuldades são várias, entre as quais a falta de transportes. Por essa razão, pede à comunidade para apoiar os mais velhos com bens materiais e carinho. “Muita gente pensa que os idosos que aqui estão devem receber simplesmente a atenção e carinho dos funcionários da direcção provincial da Reinserção Social, mas todos devem apoiar, porque muitos foram abandonados pelas suas famílias e outros apanhados na rua, e sentem-se esquecidos”.
O sociólogo Gaspar Madeira convidou estudantes e professores a verem os idosos que se encontram no lar, não apenas como sendo uma fonte de recolha de conhecimentos, mas também como livros vivos, que transmitem muitas experiências de vida.
Muitas famílias não apoiam os idosos e muitos deles não têm para onde ir, daí a importância das famílias cuidarem melhor dos mais velhos, para que eles não fiquem entregues ao abandono.

Tempo

Multimédia