Províncias

Jovens destroem bens públicos na avenida Eduardo Mondlane

Manuel de Sousa | Namibe

A avenida Eduardo Mondlane, na cidade do Namibe, recentemente inaugurada pela ministra do Ambiente, Fátima Jardim, está a ser vandalizada por jovens, principalmente na calada da noite, com a destruição dos espelhos e das bombas de água, objectos de adorno e outros. O facto está a preocupar as entidades locais.

Repuxo do Jardim Eduardo Mondlane foi vandalizado por delinquentes na calada da noite
Fotografia: Afonso Costa | Namibe

A avenida Eduardo Mondlane, na cidade do Namibe, recentemente inaugurada pela ministra do Ambiente, Fátima Jardim, está a ser vandalizada por jovens, principalmente na calada da noite, com a destruição dos espelhos e das bombas de água, objectos de adorno e outros. O facto está a preocupar as entidades locais. O administrador municipal do Namibe, Armando Valente, referiu que o jardim ainda não tem um ano, mas a administração já foi obrigada a intervir para recuperar as bombas que foram destruídas e colocar novos objectos de adorno, num prejuízo de cerca seis mil dólares.
“Durante as madrugadas, quando os jovens regressam das discotecas e de outros locais de lazer, passam por estes sítios, que são públicos, e cometem uma série de atrocidades, que por vezes desencorajam certas acções” lamentou.
Armando Valente disse ainda que é objectivo da administração municipal e do governo da província recuperar todos os espaços verdes, para que se dê outro encanto à cidade e  qualidade de vida aos munícipes. />“Temos estado a fazer algumas intervenções em várias áreas. Só assim se explica o aspecto que a cidade ainda apresenta.De contrário, teríamos aqui uma cidade toda descaracterizada”.
A administração municipal, em parceria com o governo da província, está a fazer tudo para, daqui a três anos, ter a cidade com uma outra imagem, mas isso passa também pela colaboração dos munícipes, que devem ganhar consciência da necessidade de preservar os bens públicos.
“A nossa luta tem sido a manutenção destes bens, porque não tem havido colaboração por parte dos munícipes que, em vez de os preservarem, destroem”, disse.
O governante afirmou que aplicar dinheiros públicos em bens que depois são sujeitos a actos de vandalismo é desencorajador.
 “Mas temos de ter coragem e encontrar outras formas de contrapor esta situação. É pena, já que podíamos poupar o dinheiro que, infelizmente, temos de utilizar para estes fins”, disse o administrador.

Tempo

Multimédia