Províncias

Lucapa com novas infra-estruturas

Armando Sapalo | Armando Sapalo | Lucapa

O sector da Educação na sede municipal do Lucapa, província da Lunda-Norte, vai, a partir deste ano, ser reforçado com duas escolas, de doze e sete salas de aula cada, anunciou a administradora Maria Neia.

Fotografia: Dr

Os projectos, enquadrados no Programa Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), acrescentou, vão contribuir significativamente na redução do número de crianças que estão fora do sistema de ensino, por insuficiência de salas de aula. 

Maria Neia disse que o início das obras está a depender da disponibilização dos recursos financeiros, pelas estruturas centrais.
A administradora adiantou que para a construção da escola de doze salas de aula vão ser aplicados mais de 500 milhões de kwanzas, enquanto que na de sete salas o Estado deve desembolsar um valor acima dos 300 milhões de kwanzas. Maria Neia disse que actualmente o município do Lucapa possui mais de 100 salas de aula, 72 das quais na sede municipal.
O município, acrescentou, precisa, numa primeira fase, de mais de 44 salas de aula, sobretudo para atender o ensino primário.
Nesse momento, além de uma escola de quatro salas de aula, estão a ser construídas duas outras, de dez salas cada, no quadro do Programa de Investimentos Públicos , disse Maria Neia.
A administradora municipal assegurou que estão igualmente previstas, para este ano, a conclusão das obras do Instituto Médio Politécnico, com 18 salas de aula, assim como do centro de acolhimento de menores, financiadas pela "Linha de Crédito Eurobonds”.
O PIIM reserva também, para o presente exercício económico, recursos destinados ao reforço do sistema de saneamento básico.
Água e energia
A administradora do Lucapa informou que cerca de seis mil ligações domiciliárias de água potável vão ser feitas este ano, para igual número de famílias residentes no centro urbano e periferia da sede municipal.
Segundo Maria Neia, cinco das seis mil ligações já estão concluídas e, em breve, uma grande parte dos habitantes da sede municipal começa a ter acesso à água potável.
Quanto ao fornecimento de energia, a administradora disse que o ministério de tutela rescindiu recentemente o contrato com a empresa que tinha sido contratada para construir uma mini central, com capacidade de dois megawatts de energia fotovoltaíca, assegurada por painéis solares, por incumprimento dos compromissos contratuais. Em Novembro do Ano passado, acrescentou, foi celebrado um novo contrato, com outra empresa, que vai prosseguir com os trabalhos .

Tempo

Multimédia