Províncias

Mais redes domiciliares na periferia

Juliana Domingos | Huambo

Milhares de ligações domiciliares serão feitas em breve nos bairros novos da periferia da cidade do Huambo, para reforçar o fornecimento de água potável, garantiu, quinta-feira, o chefe do Departamento das Águas da Direcção Nacional.

A população do Huambo deixa de percorrer longas distâncias em busca de água
Fotografia: Edições Novembro

António Quaresma afirmou que o Governo central e provincial continuam a envidar esforços no sentido de resolver os grandes problemas de abastecimento de água que a cidade do Huambo vive, devido, em parte, ao rápido crescimento da zona urbana e da sua população.
Realçou ainda que a cidade do Huambo e as sedes municipais vivem um grande crescimento e as necessidade de abastecimento de água potável aumentam.
“O Governo, em parceria com o Banco Mundial, estão a desenvolver o projecto de ampliação da rede domiciliar, para abastecer os bairros periféricos da cidade e das sedes municipais”, sublinhou António Quaresma.
Esclareceu que encontram-se já em fase conclusiva, as obras de 19 ligações que em breve estarão à disposição das famílias.
O projecto começou com a reabilitação do sistema de captação do rio Kulimahãla, com assistência técnica da Empresa de Saneamento e Águas do Huambo e da “Águas de Portugal”, cujas obras terminam em 2019. No âmbito da mesma parceria, está prevista a assinatura de um segundo pacote de intervenção, já aprovado pelo Ministério de tutela e pelo Ministério das Finanças, para ampliar a rede, com a construção de mais ligações domiciliárias de água.
O Governador da província, João Baptista Kussumua, tranquiliza as populações, garantindo que o Huambo vai ter mais ligações domiciliárias, para que, paulatinamente, a cidade seja coberta por uma rede de fornecimento de água, para permitir colocar torneiras nas casas, bem como montar mais chafarizes.
 Kussumua encorajou os executores desta empreitada a pautarem pela qualidade e técnica. “São benefícios que vão proporcionar saúde às nossas crianças e o bem para todas as populações, por isso é justo que as pessoas contem com o resultado destas obras”.
O Governador sublinhou que o projecto não pode ser visto apenas, numa perspectiva de fornecimento de água, mas também na melhoria da saúde e qualidade de vida da população. “Façam estas obras com maior carinho, com rapidez, para que o povo tenha acesso à água potável”.
A província do Huambo está com uma cobertura de rede na ordem de 70 a 80 por cento e tem algumas dificuldades, principalmente nas zonas peri-urbana, onde a cobertura apenas chega a 50 por cento.

Tempo

Multimédia