Províncias

Mukanka alternativa a Yuri Gagarine

Vladimir Prata| Namibe

A TAAG criou condições para transportar via terrestre os seus passageiros a partir do Namibe até ao aeroporto internacional da Mukanka, no Lubango, devido ao encerramento das instalações aeroportuárias na cidade.

A TAAG criou condições para transportar via terrestre os seus passageiros a partir do Namibe até ao aeroporto internacional da Mukanka, no Lubango, devido ao encerramento das instalações aeroportuárias na cidade.
O chefe de escala da TAAG no Namibe, Paulo Mateus, disse que os passageiros vão ser levados em autocarros até ao Lubango, a partir da próxima segunda-feira, depois de encerrado o aeroporto internacional Yuri Gagarine para obras de ampliação e modernização.
O mesmo processo é feito em relação aos passageiros que de Luanda viajem para o Namibe. São transportados de avião até ao Lubango e a partir daí apanham os autocarros até ao Namibe.
Os trabalhos de reabilitação no aeroporto no Namibe, que deviam ter início sexta-feira passada, arrancam apenas no próximo domingo, depois de um acordo de entendimento entre a ENANA (Empresa Nacional de Navegação Aérea) e a TAAG, visando a criação de condições para o transporte dos passageiros por terra. “O encaminhamento dos nossos passageiros para o Lubango é feito por terra a custo zero”, garantiu o chefe de escala da TAAG, referindo que os autocarros são alugados a empresas que já prestam serviços na província e que oferecem todas as condições de comodidade e segurança. Em média, estão disponíveis quatro autocarros.
Os trabalhadores da TAAG no Namibe acompanham os passageiros, inclusive para fazer o check-in no aeroporto do Lubango. O transporte por via terrestre está marcado para quatro horas antes do voo. A TAAG serve um lanche aos passageiros durante a viagem de carro.
A carga e demais bagagens que não poderem acompanhar os passageiros nos autocarros serão transportadas por outros meios rodoviários preparados para o efeito. O chefe de escala da TAAG garantiu todas as condições de segurança no transporte dos seus passageiros e de cargas via terrestre, referindo que a viagem por terra até ao Lubango deve ter a duração de duas horas e meia. A TAAG também se responsabiliza pelo alojamento dos seus passageiros na cidade do Lubango nos casos em que o voo venha a ser cancelado e nos dias em que não haja condições climatéricas para viajar de carro.  A direcção da TAAG está a estudar a hipótese de alterar o horário do voo para os passageiros do Namibe, para que aconteça mais cedo do habitual.
Paulo Mateus explicou que a escolha do Lubango como alternativa para os passageiros do Namibe não prevê alterações no preço do bilhete. A TAAG voa para o Namibe todos os dias, excepto às terças e quintas-feiras, com um voo por dia.
Paulo Mateus referiu que as obras no aeroporto do Namibe vão dar melhores condições de trabalho aos funcionários e de atendimento aos clientes da TAAG. “As condições em que trabalhamos até agora são precárias, as instalações já não ajudam muito, mas com esta reabilitação ficamos melhor servidos e também podemos servir melhor os nossos clientes”, disse, referindo que os cinco meses de sacrifício vão ser seguramente compensados.

Tempo

Multimédia