Províncias

Mulheres aprendem a gerir negócios

Manuel de Sousa|Namibe

Mais de 80 mulheres processadoras de pescado do município do Namibe e Tômbwa participam, desde ontem, num curso subordinado ao tema “Como iniciar a sua empresa”, numa iniciativa do sector das Pescas, levada a cabo pelo Instituto Nacional de Apoio às Indústrias de Pesca e Investigação Tecnológica (INAIP), em parceria com o INAPEM.

Acção formativa tem objectivo de dar às mulheres os conhecimentos necessários para uma boa gestão dos negócios e aumentarem os rendimentos
Fotografia: Afonso Costa| Namibe

O curso tem como objectivo dar às mulheres os conhecimentos necessárias para uma boa gestão dos seus próprios negócios, aumentar o rendimento familiar e pôr no mercado produtos de boa qualidade, de acordo com Manuel José Fernandes, director nacional do Instituto Nacional de Apoio às Indústrias de Pesca e Investigação Tecnológica.
“Estamos a dar início, nesta província, ao curso ‘Como iniciar a sua empresa’, dirigido às mulheres integradas no centro de processamento de salga e seca do município do Namibe e Tômbwa, associadas em cooperativas, para que possam gerir melhor os seus negócios, aumentarem a sua produção e, concomitantemente, melhorarem a qualidade das suas vidas e dos consumidores”, disse Manuel José Fernandes.
Durante uma semana, os participantes vão discutir características que um empreendedor deve ter para desenvolver o seu programa, como criar um bom plano de negócios, aspectos jurídicos para a a­bertura de uma empresa e o que é ser um empresário no ramo das pescas, temas ministrados por quadros superiores do Instituto Nacional de Pequenas e Médias Empresas (INAPEM).
Adelina Rosa, operadora da comuna da Bentiaba que está a frequentar o curso, considera-o muito importante, porque ajuda as mulheres que trabalham nesta área a conduzirem bem os seus negócios e a melhorarem a sua qualidade de vida, com o aumento da produtividade.
“Muitas de nós não sabem como manejar o negócio, o dinheiro e fazer gastos. Com esta formação vão poder aprender e melhorar as suas prestações, por isso pedimos a quem de direito que proporcione mais formações deste género, para ajudar as mulheres a progredirem neste ramo de actuação”.
A operadora assegura que, com mais conhecimentos sobre o negócio que praticam, muitas outras mulheres da região podem sair beneficiadas, como é o caso concreto das zungueiras, que passam a apresentar aos consumidores produtos de melhor qualidade e a bom preço, ajudando, assim, no aumento da qualidade de vida das populações da província.
Depois da província do Namibe a acção de formação estende-se às províncias do litoral, Luanda, Benguela e Cuanza Sul.

Tempo

Multimédia