Províncias

Namibe com novas escolas este ano

João Upale | Namibe

O director provincial da Educação, Pacheco Francisco, disse que este ano o Namibe passa a ter193 novas salas para satisfazer a grande procura. Garantiu também que vão ser construídas dez casas de passagem para os professores que devem assegurar a funcionalidade da Escola Superior Pedagógica.

O director provincial da Educação, Pacheco Francisco, disse que este ano o Namibe passa a ter193 novas salas para satisfazer a grande procura. Garantiu também que vão ser construídas dez casas de passagem para os professores que devem assegurar a funcionalidade da Escola Superior Pedagógica.
No próximo ano lectivo está previsto um programa de saúde escolar, com um posto médico em cada instituição de ensino. Outra aposta do sector este ano, consiste na revitalização do desenvolvimento do desporto escolar, formação de professores de educação física, educação manual e plástica.
Para o presente ano lectivo, está previsto um grande impulso na alfabetização, a elaboração da carta escolar, execução de todos os projectos educativos nas escolas e a melhoria do sistema de informação estatística.
Pacheco Francisco sublinhou que o papel dos directores das escolas vai ser reforçado e apoiado. Face aos problemas vividos pelos professores da província, o sector teve de redobrar esforços para transpor inúmeras barreiras. Foram enviados para formação, na cidade do Lubango, dezenas de professores.
O sector da Educação no Namibe recebeu, no ano passado, 53 novos finalistas do Instituto Superior de Ciências de Educação (ISCED) que, com os de 2010, totalizam 88 novos professores nas escolas da província. Para este ano está prevista a recepção de outros 96 finalistas que vão ajudar a atenuar a falta de docentes.
Pacheco Francisco afirmou que desde 2002, o sector da Educação está a ser revitalizado através da reforma educativa. No período de 2002 a 2008, acrescentou, a reforma resultou no aumento dos índices de aproveitamento escolar, eficácia do sistema de ensino, redução das taxas de abandono e repetição e a aproximação das escolas aos domicílios dos alunos.
A aplicação da reforma teve um impacto positivo, disse Pacheco Francisco, mas os níveis de escolarização e aproveitamento escolar ainda estão distantes dos padrões universais da educação.
Apontou a falta de informação para o planeamento estratégico a médio prazo, de competências apropriadas dos recursos humanos e a fraca coordenação dos diversos agentes, como sendo os principais motivos para as debilidades do sistema de ensino.

Ensino à distância
 
Pacheco Francisco assegurou que nos últimos anos se registou um crescimento muito elevado de crianças que ingressaram no sistema escolar e um expressivo aumento de novos docentes.
A qualidade de ensino “é uma preocupação” uma vez que parte dos docentes não possui qualificações suficientes e o material didáctico é insuficiente nas escolas. Mas para este ano, o material escolar no ensino primário está salvaguardado.
Para o director provincial da Educação, é necessário continuar a apoiar programas de formação, através da introdução de métodos inovadores, como o ensino à distância.
Vai ser dada este ano grande ênfase na formação inicial e contínua nas escolas de formação de professores e na avaliação do impacto que a formação dos docentes tem nas capacidades cognitivas dos estudantes para reforçar a qualidade geral do ensino.
“Com a contribuição positiva dos docentes, pais e encarregados de educação e a comunidade em geral, vamos melhorar os aspectos considerados constrangedores de forma a melhorar a eficácia do processo de ensino e aprendizagem”, disse Pacheco Francisco.
O responsável da Educação no Namibe reconheceu o papel da Polícia Nacional na criação das brigadas escolares para a protecção e segurança das instituições, alunos, docentes e outros funcionários.
  Em 2011 o sector da Educação na província do Namibe matriculou 116.123 alunos, dos quais 11.638 abandonaram o sistema, 73.444 transitaram de classe e 16.295 reprovaram.

Tempo

Multimédia