Províncias

Namibe entra na rota de navios cruzeiros

Vladimir Prata | Namibe

Namibe poderá receber navios cruzeiros que escalarem Angola futuramente, anunciou nesta cidade o director nacional do Ministério da Hotelaria e Turismo, Januário Marra, durante o segundo Fórum do Turismo, realizado no âmbito das Festas do Mar, que assinalam o dia da cidade.

Estão a ser criadas as condições para a província do Namibe passar a ser um destino turístico de referência na região
Fotografia: Paulo Mulaza

Namibe poderá receber navios cruzeiros que escalarem Angola futuramente, anunciou nesta cidade o director nacional do Ministério da Hotelaria e Turismo, Januário Marra, durante o segundo Fórum do Turismo, realizado no âmbito das Festas do Mar, que assinalam o dia da cidade.
Januário Marra referiu que o Ministério vai apostar na formação de guias de turismo para a província do Namibe, como já aconteceu em Luanda, seguindo-se depois o Lobito, que será escalado por navios cruzeiros entre Outubro deste ano e Abril do 2014.
O director nacional destacou a importância da formação de guias turísticos em línguas estrangeiras e nacionais, dotados de cultura geral para receber e orientar os turistas de outros países. Segundo Januário Marra, o Plano Director do Turismo de Angola, aprovado em finais de 2011, engloba a construção de três escolas regionais de turismo, nas províncias de Cabinda, Benguela e Huíla, cujas obras já iniciaram. O governo do Namibe prevê a construção até 2017 de uma escola de formação de hotelaria e turismo.
Numa dissertação sobre a “Importância das agências de viagens e turismo e dos guias para a promoção de Angola como destino turístico” e a “Relação entre as agências de viagens e turismo, companhias aéreas e as unidades hoteleiras”, o responsável do Ministério da Hotelaria e Turismo sugeriu que as Festas do Mar devem ser incluídas no roteiro turístico nacional, como as Festas da Nossa Senhora do Monte e a peregrinação da Muxima.
“As Festas do Mar no Namibe são um evento bastante conhecido e, mais uma vez, as agências de viagens, as unidades hoteleiras e companhias aéreas devem fazer com que faça parte do roteiro turístico nacional”, disse Januário Marra, lamentando, contudo, o facto de a província do Namibe possuir apenas uma agência de viagens e turismo.
As agências de viagens têm uma função importante, porque devem vender pacotes credíveis e aceites no mercado, promovendo o destino turístico, com variadas referências, acrescentou.
Januário Marra disse que o Ministério da Hotelaria e Turismo está a estudar um sistema de controlo dos preços praticados pelas unidades hoteleiras para deixarem de ser livres, como acontece actualmente.
“Não serão preços administrativos, mas vigiados, com as unidades hoteleiras a terem a obrigatoriedade de afixar na recepção o preço dos seus serviços”, sublinhou.

Tempo

Multimédia