Províncias

Novas centralidades já arrancaram

João Upale

A província do Namibe vai beneficiar de cinco mil novas casas do tipo T3 e T4, cujas obras de construção já arrancaram, no âmbito do programa de habitação social levado a cabo pelo Executivo angolano em todo o país.

O programa deverá construir casas do tipo T3 e T4 e outras infra-estruturas de apoio como instituições escolares e hospitalares para atender a carência de residências que ainda é visível na província do Namibe
Fotografia: Afonso Costa

A província do Namibe vai beneficiar de cinco mil novas casas do tipo T3 e T4, cujas obras de construção já arrancaram, no âmbito do programa de habitação social levado a cabo pelo Executivo angolano em todo o país.
O director provincial do Urbanismo e Construção, Nelson Carlos de Sá, referiu que duas mil casas deste programa estão a ser erguidas na Praia Amélia, cinco quilómetros a sul da cidade capital, e as demais serão feitas ao lado do aeroporto Yuri Gagarine, onde o empreiteiro instalou o seu estaleiro e prepara as condições de acomodação dos técnicos e armazenamento de materiais. Ainda com o objectivo de fazer face à carência de habitação na província, está em curso o programa de construção do bairro da juventude que, no ano passado, entregou 92 casas e no passado dia 22 de Agosto fez a entrega de mais 100 residências.
A nível dos municípios está em curso o programa de construção de 200 fogos, prevendo-se que até ao final deste ano estejam concluídas as primeiras 100 casas em cada um dos quatro municípios do interior (Tômbwa, Virei, Bibala e Kamukuio). Quatro empresas foram destacadas para o efeito.
Carlos de Sá disse que na província do Namibe existem cerca de 25 reservas fundiárias, redistribuídas pelos municípios. No Namibe fez-se a distribuição de milhares de talhões na zona do bairro mais populoso, o 5 de Abril, bem como nos bairros Valódia e Praia Amélia.
O responsável frisou que as últimas enxurradas trouxeram consigo o surgimento de novos assentamentos, num total de sete no município do Namibe, como as povoações da Makala, Giraúl de Baixo, 4 de Março, entre outros, assim como no Tômbwa e na Bibala.
 Dentro do programa integrado municipal de combate à fome e à pobreza, as administrações estão a construir casas evolutivas, escolas e residências para quadros nessas mesmas reservas.

Obras sociais em curso

Na província do Namibe, a direcção do Urbanismo e Construção tem estado a desenvolver uma série de obras sociais na cidade capital e nos municípios, com destaque para a reabilitação de estradas que fazem ligações intermunicipais, bem como outras secundárias e terciárias.O troço que liga a comuna do Caitou (Bibala) ao município do Camucuio, e deste a comuna do Mamue, foi ampliado e em breve vai receber um tapete asfáltico. O mesmo se passa com outro troço que liga a sede às Cacimbas, e no município da Bibala, o troço que liga a Lola. A ponte que passa sobre o rio Munhino foi reabilitada e conta agora com iluminação.
Na comuna do Chingo (Kamukuio) está em construção uma ponte e em reabilitação o dique de protecção, evitando que na época chuvosa a sede da comuna fique inundada como tem acontecido.  Outras obras de âmbito central contemplam a reabilitação do troço Chinkolonjiro/Bibala/Quilemba, como alternativa da estrada que passa pela Serra da Leba.
No Munhino fez-se um novo reperfilamento da estrada para o aproveitamento da ponte recentemente construída.  Já na sede da província, foi reabilitado o troço que liga o Namibe ao Virei.
 A estrada Namibe/Tômbwa está totalmente nova e sinalizada, e em curso está a execução da ponte sobre o rio Curoca. Estão igualmente em reabilitação algumas estradas do município do Tômbwa.  O troço que vai da Lucira à Equimina (Benguela) também melhorou, uma vez que depois do Dombe Grande, em direcção ao Namibe, já se encontra asfalto. O troço Namibe/Lucira foi terraplanado, e estão localizados os pontos para a construção de pontes.
Em reabilitação estão ainda as estradas Namibe/Iona e Curoca/Iona. O projecto para a execução das obras da nova ponte sobre o Giraúl de Cima está aprovado, estando os técnicos a avaliar como vão ser aplicadas a estancaria, com conclusão prevista para o final do ano, caso não haja constrangimentos.
Carlos de Sá assegurou que o Namibe vai ser beneficiado com um programa de carácter nacional, à semelhança das outras províncias do litoral, com todas as infra-estruturas integradas como a reabilitação e ampliação da rede de abastecimento de água e a construção de reservatórios, energia eléctrica, telecomunicações, esgotos, tendo em conta o crescimento demográfico. “Esperamos que os técnicos do Ministério do Urbanismo e Construção que estão a fazer o programa venham ao Namibe apresentar o projecto em breve”, disse.
O responsável apontou como principais dificuldades a inexistência de quadros qualificados para o sector, principalmente no domínio técnico, onde faltam engenheiros de construção civil e meios para fiscalização de obras.

Tempo

Multimédia