Províncias

Obras em troço da via alternativa vão começar dentro de mês e meio

Manuel de Sousa e Baptista Marta| Namibe

As obras de reabilitação do troço rodoviário alternativo entre as cidades do Namibe e Lubango, com trânsito pelo Giraúl de Baixo, arrancam dentro dos próximos 45 dias, anunciou na quinta-feira o chefe do departamento do Instituto de Estradas de Angola  (INEA).

Derrapagem de camião devido ao mau estado da estrada que liga as duas províncias
Fotografia: Afonso Costa|Namibe

As obras de reabilitação do troço rodoviário alternativo entre as cidades do Namibe e Lubango, com trânsito pelo Giraúl de Baixo, arrancam dentro dos próximos 45 dias, anunciou na quinta-feira o chefe do departamento do Instituto de Estradas de Angola  (INEA).
De acordo com o engenheiro Faustino Feliciano, que falava durante o acto de consignação da empreitada, o projecto, orçado em 32 milhões de dólares, vai ter um período de execução de 12 meses. As obras contemplam também o troço que liga a cidade do Namibe à localidade turística da Baía das Pipas, serviço a cargo da empresa SEOP (Sociedade de Empreendimentos e Obras Públicas).
O chefe do departamento do INEA explicou que o troço da estrada ora consignado constitui alternativa à passagem pela pequena Leba, troço particularmente difícil para veículos pesados mas actualmente a única via de ligação com a província da Huíla.
A estrada possuirá características urbanas e suburbanas, uma vez que atravessa cidades e zonas rurais, salientou Faustino Feliciano, tendo esclarecido que o traçado em planta da estrada Namibe/Lubango, incluindo a Baía das Pipas, será mantida na sua extensão de cerca 42 quilómetros. O perfil transversal será composto por uma largura de plataforma de 11 metros, com uma faixa de rodagem revestida de sete metros de largura, com duas vias e bermas de dois metros.
Para o engenheiro, esta a obra chega num bom momento, uma vez que, com as dificuldades a que se assiste na pequena Leba, devido à destruição da ponte de Giraúl de Cima, em Março, a única alternativa para ligar o Namibe à província da Huila é pelo referido troço.
“Temos assistido à circulação constante de veículos pesados neste troço, o que provocou a sua degradação, daí a necessidade de uma intervenção urgente”, explicou.
Faustino Feliciano adiantou que a província do Namibe, particularmente a capital, está inserida num eixo rodoviário de fundamental importância para o desenvolvimento socio-económico do país, tendo em conta a localização geo-estratégica, o que motiva a implementar deste tipo de trabalhos.
Esta obra enquadra-se no leque de outras em curso na província, no âmbito de reabilitação de infra-estruturas que permitirão, num futuro próximo, maior segurança e comodidade na ligação entre as sedes municipais e as províncias de Benguela, Huíla e Cunene, impulsionando mais investimentos para a região.
 Os trabalhos vão contemplar acções de acomodação do tráfico, terraplanagem com eventual recuperação de bases, drenagem superficial e profunda, camada de desgaste e betão betuminoso, selecção horizontal e vertical.
Com esta obra, mais de 500 postos de trabalho directos e indirectos serão criados, beneficiando maioritariamente jovens angolanos, que trabalharão com cidadãos chineses. A supervisão técnica para a fiscalização e controlo dos trabalhos estará assegurada por uma empresa especializada, a ser designada nos próximos dias, através de concurso público.

Mais turismo e desenvolvimento

A governadora provincial do Namibe, Cândida Celeste, disse que a recuperação do referido troço consta de uma estratégia para a região no sentido de atrair cada vez mais turistas nacionais e estrangeiros.
 Segundo explicou, este tipo de projectos contribuem para o desenvolvimento da província, e do país em geral. Esta ideia foi também defendida por Edgar Xavier, director provincial do Instituto de Estradas do Namibe.
 A reabilitação desta via vai incrementar o crescimento económico da província, principalmente da zona turística da Baía das Pipas, que tem assistido a um movimento frenético. De acordo com o responsável, o troço, a partir do quilómetro 18, em direcção ao município do Tômbwa, passando pelo Pico de Azevedo, abrirá portas para as vias terciárias, incluindo a do Camucuio e outros pontos da província.

Tempo

Multimédia